GEOTERAPIA - USO MEDICINAL DA ARGILA

Geoterapia O que é?

É a aplicação de argila, para ombate “febres internas” e inflamações.
Em máscaras faciais, é empregadas na limpeza profunda da pele, agindo como um dos melhores cosméticos naturais.
Inúmeros pesquisadores da ciência médica, fizeram uso dos efeitos geoterápicos encontrados no solo. Entre eles, o próprio “pai da medicina” – Hipócrates – combateu várias doenças degenerativas, entre elas o temível câncer, com recursos geoterápicos.
Recentemente os vietnamitas fizeram uso de suas propriedades medicamentosas contra queimaduras por ocasião da famosa guerra entre vietnã do sul e Norte.

GEOTERAPIA - USO MEDICINAL DA ARGILA

A palavra geoterapia vem do grego onde Geo = terra e Terapia está relacionada a tratamento. Dessa forma a Geoterapia é uma terapia natural que se utiliza das propriedades medicinais da terra, do barro gerando assim um equilíbrio corporal restabelecendo e recuperando a saúde. A geoterapia pode ser usada tanto de modo preventivo como auxiliar no tratamento de doenças.

A Historia da Geoterapia:

Há milhares de anos atrás já se conheciam e se confiavam nos seus efeitos curativos. A força curativa da terra molhada foi descoberta por Priessnitz e os médicos antigos recorriam muitas vezes a esse recurso. Grandes naturistas alemães como Kneipp, Kuhn, Just, Felk muito contribuíram para o renascimento do emprego da argila no contexto dos tratamentos naturais, dos quais o naturista Mahatma Gandhi foi sempre um fiel adepto. Hipócrates, médico grego, considerado o “Pai da Medicina”, freqüentemente utilizava a argila em seus trabalhos e ensinava seus discípulos como usá-la de maneira adequada. Nos últimos tempos, a ciência também se interessou pela argila. Nos hospitais alemães é empregada como remédio. Na Alemanha, Suíça e noutros países é utilizada pela medicina oficial para tratamento de várias doenças.

Principais efeitos da Geoterapia:

Permutação – permite a troca de energia dos minerais com a parte afetada.

Equilíbrio Térmico – regulariza a temperatura do órgão enfermo uniformizando a irrigação sanguínea.

Ação Anti-radioativa – anula os efeitos maléficos promovidos pelas radioatividades solares e eletroféricas, mesmo em decorrência da diminuição da camada de ôzonio. Atua também contra resíduos nucleares provenientes de explosões minerais. Entre os metais produtores de efeitos nucleares encontra-se o estrôncio, de número atômico 38, cujos efeitos colaterais são combatidos pela aplicação de argila

Poder absorvente: Capta elementos não utilizáveis da alimentação, dos produtos de desassimilação e de descamação.

Ação antibacteriana: Expulsa do organismo tudo que é putrefação, decomposição e desorganização.

Tratamento da pele: A argila também é muito indicada no tratamento de acnes, pois absorve a sujeira e a oleosidade da pele, transmitindo os nutrientes que esta necessita, hidratando e limpando os poros.

É antiinflamatório, anti-séptico, absorvente, analgésico, antiinfeccioso, emoliente, antitraumático, tonificador, cicatrizante, desobstruente, antitóxico, regulador orgânico, estimulante, vitalizador, refrescante…

Uso Medicinal Externo

Podemos empregá-la externamente em forma de cataplasmas, enfaixamentos, fricções e banhos de lama, com as seguintes funções farmacodinâmicas: antitumoral, anti-séptica, anti-reumática, antiinfecciosa, cicatrizante, emoliente, vitalizante, refrescante, aperiente, anti-risêmica (contra as rugas) etc.

Em sua preparação adicionam-se água e cebola ralada, ou mel, ou repolho (de acordo com sua aplicação medicamentosa).A espessura do “barro” sobre a parte afetada deve corresponder a 1 ou 2 cm, e o tempo de uso pode variar de 2 a 3 horas.

A higiene pessoal após um tratamento geoterápico deve ser realizada de preferência com água fria, o que complementa sua ação antifebril. Importante: não é aconselhado seu emprego acima do tempo especificado, pois devido ao processo de absorção epitelial (perspiratio insensibilis), as toxinas retiradas podem ser reabsorvidas.

No baixo-ventre e estômago, nestas partes do corpo a argila atua como antitérmica, eliminando as substâncias tóxicas originadas pelos processos fermentativos. É revitalizante do sistema digestivo.

As aplicações

O emprego da terra, a título curativo, é como qualquer outro meio natural, muito simples. A argila pode ser aplicada diretamente no corpo do paciente, na parte onde se apresenta disfunção, através de cataplasma, compressas, emplastros, ligaduras, banhos…, com a argila fria ou quente conforme a enfermidade. Pode ser aplicada no corpo todo ou somente em partes específicas. Pode-se também usá-la internamente através de cápsulas, gargarejos ou misturada à água. Faz-se também irrigações e lavagens. Em alguns casos usa-se como pó higiênico para os pés, ungüentos e na limpeza dos dentes. No tratamento interno, a argila é muito eficaz para o aparelho digestivo, principalmente nos processos de diarréia, intoxicação, estômago…, porque fornece ao organismo os sais minerais que este precisa. No tratamento externo é eficaz para problemas decorrentes da má circulação como dores, artrite, artrose, inchaço e outros.

Em compressas quentes: diluí-la em água mineral morna, até transformá-la numa pasta, depois coloque-a em uma gaze e aplique-a no local desejado, por um período de 20 a 30 minutos.

Em compressas frias: usar água mineral à temperatura normal e aplicar por 2 horas.

Em aplicação direta: principalmente no rosto, aplicar a pasta diretamente sobre a pele em uma camada bem fina.

Pode ser aplicada topicamente no tórax, no abdômen, na região pélvica, na coluna, sobre os rins, nas pernas, nos braços, no rosto, na cabeça e no pescoço.

Pode também ser usada por via oral, neste caso, dilui-se uma colher das de chá de silicato minimizado em um copo de água mineral, aguarde a decantação (30 minutos), despreze a parte sólida e tome o líquido em jejum ou 1 hora antes das refeições. Para melhores esclarecimentos é necessário procurar um proficional da saúde que conheça do assunto.

Aplicação na estética: No rosto, pescoço, mãos e braços, para eliminar manchas senis e espinhas.

Aplicação da argila com ação terapêutica:

na garganta: para casos de inflamação e calos nas cordas vocais

no pescoço: em casos de tumor na parótida e obstrução das veias que alimenta o cérebro

nos ombros: nas burcites e artrose nos seios: nas displasia , mastite e cisto

nos braços: casos de tendinites e tenossinovite nos joelhos: artrose

nas pernas: varizes, trombose venosa, flebite, varicose

nos calcanhares: para esporão de calcareo, gota

Aplicação da argila na região da coluna: Para os casos de artrose na cervical, lombar, hérnia de disco (dissolver), inflamação do nervo ciático

Na região do pulmão: Para as bronquites, nos fibromas pulmonares.

PEITO Age como expectorante nos casos de asma e bronquite. Promove também o descongestionamento do aparelho respiratório nos casos de pneumonia e tuberculose. Em regiões frias esta cataplasma deve ser aplicada quente a fim de não proporcionar crises dispnéicas nos enfermos. RINS Aplica-se contra inflamações nefríticas e nas irritações provenientes dos cálculos renais.

GENITAL ANAL São aplicadas em forma de “T” no combate às hemorróidas e doenças dos aparelhos genitais feminino e masculino.Nestes locais a argila deve ser colocada com gaze de tamanho médio, preferindo-se não colocá-la diretamente sobre a pele, quando o doente for do sexo feminino. COSTAS E COLUNA Contra as inflamações neuromusculares gerais, especialmente nas regiões lombo-dorsais.

CABEÇA Deve-se fazer um invólucro no local com o auxílio de uma faixa. Seu uso é importante nos distúrbios cerebrais e do sistema nervoso. É muito útil contra epilepsia e convulsões em geral. CORAÇÃO Serve como cardiotônica.Os cuidados descritos na cataplasma da região peitoral devem ser mantidos neste tratamento. Se o paciente não se adaptar ao tratamento, pode-se transferir a aplicação à área do baixo-ventre.

APRENDA COMO PREPARAR A ARGILA
INGREDIENTES MODO DE PREPARO
• Chá especifico ou água
• Argila verde ou branca ( pó )
• Recipiente de barro ou vidro
• Colher de pau
• Ataduras
 Coloque em um recipiente 1 xícara de argila e despeje 1/2 xícara de água. Aguarde alguns minutos e misture com a colher de pau até formar uma pasta. Mergulhe, uma atadura no preparado e coloque-a na região desejada e enfaixe com ataduras limpas e deixe agir por duas horas. A aplicação do cataplasma deve ser feita duas horas antes ou duas horas depois das refeições.
HIDROTERAPIA - USO MEDICINAL DA ÁGUA

Hidroterapia O que é?

A hidroterapia entende-se o tratamento pela água sob suas diversas formas e a temperaturas variáveis. A água é um dos meios de cura, um veículo de calor ou frio para o corpo. Aplicada ao corpo, opera nele modificações que atingem, em primeiro lugar, o sistema nervoso, o qual, por sua vez, age sobre o aparelho circulatório, produzindo efeitos sobre a regularização do calor animal.

As reações da aplicação da água são, três: 1- nervosa 2- circulatória 3- térmica.

Beber Água Pura e Fresca

É um bom hábito tomar, pela manhã, em jejum, um copo de água pura e fresca, e outro copo à noite, antes de deitar. Isso auxilia os rins e a bexiga em seu processo eliminatório e na regularização da temperatura do organismo. Durante o dia, o consumo de água ideal é de, no mínimo, 2 litros, numa temperatura agradável. O hábito de beber água regularmente, resulta num aspecto saudável, com pele sedosa e limpa.

Caminhar na Água

Segundo Mons. Sebastião Kneipp no livro O MÉDICO DA ÁGUA, “caminhar na água é um recurso terapêutico muito importante, que atua sobre os rins, preservando-os das doenças”. Além disso, é bom para a bexiga, facilita a respiração, expulsa os gases do estômago e combate a dor de cabeça. O caminhar na água pode ser feito dentro de uma banheira, na qual se coloca um pouco de água fria, até à altura dos tornozelos. O paciente, em pé, faz movimentos com os pés como se caminhasse. Gradualmente, aumenta-se o nível da água, até que atinja a panturrilha (barriga da perna) e finalmente os joelhos. Este exercício deve durar de 5 a 10 minutos. Ao sair da banheira, faz-se movimentos com as pernas para restaurar a temperatura ideal.

Caminhar Sobre Grama Molhada

Esse exercício tem duração de aproximadamente 45 minutos, e deve ser feito pela manhã, antes do nascer do sol. É especialmente indicado para activar a circulação sanguínea e acalmar o sistema nervoso. Após o exercício, enxugar os pés, vestir meias secas e calçados confortáveis, e fazer uma leve caminhada em terreno seco e plano.

Banho de Imersão

Banho feito em banheiras, com água fria ou quente.

FRIO: Deve ser rápido, com duração máxima de 2 minutos. E indicado para baixar febres, acalmar o sistema nervoso e activar a circulação.

QUENTE: Tem duração de 20 minutos e pode ser potencializado através de chás medicinais, tais como cavalinho, palha de aveia, flores de feno, samambaia do mato, alfafa, eucalipto etc. Coloque também um pouco de sal grosso na água. Depois do banho, tome uma rápida ducha de água fria, para fechar os poros. Este banho é especialmente indicado para combater doenças artríticas e reumáticas.

HIDROTERAPIA - USO MEDICINAL DA ÁGUA

Fricções

Consiste em massagens metódicas ao longo do corpo, com uma toalha de banho molhada em água fria. Inicia-se a fricção no umbigo (1), descendo até o pé direito (2); de volta ao umbigo, desça ao pé esquerdo(3). Dobre a toalha e massageie o tórax e a virilha (4); em seguida massageie o pescoço e o braço direito e a lateral da perna direita, até o pé (5). De volta ao pescoço, repita o procedimento no lado esquerdo do corpo (6). Em seguida, repita no lado direito das costas e no lado esquerdo (7); depois passe por entre as pernas e finalmente estenda a toalha no chão e pise sobre ela (8). Na passagem de um membro a outro, a toalha deve ser dobrada, para que esteja sempre resfriada. Este procedimento deve ser feito próximo ao leito, para que o paciente possa deitar-se e agasalhar-se logo após terminá-lo.

As fricções são especialmente indicadas nas seguintes enfermidades:

• Angina do peito
• Beribéri
• Distúrbios da gravidez
• Distúrbios nervosos
• Impotência
• Insônia
• Prostatite

Água fria

A Água fria excita fortemente a sensibilidade periférica, e a excitação experimentada é levada, por via centrípeta, até os centros corticais, produzindo diversos reflexos, dos quais para nós os mais interessantes ocorrem na periferia, nos vasos superficiais e nos órgãos subjacentes na pele.

O sistema nervoso sensitivo, excitado na totalidade das suas ramificações periféricas, é estimulado e melhorado nas suas funções, produzindo, no indivíduo, uma sensação de bem-estar, e a pessoa se sente reanimada, alegre e disposta para o trabalho. O sistema nervoso recobra o seu tom. Por isso se pode dizer que a água fria é um tônico para o sistema nervoso. A aplicação de água fria ao corpo ao mesmo tempo tônica e sedativa, regulariza as funções nervosas e é indicada na luxação.

Quando a água fria toca a pele, os vasos periféricos se contraem, o coração retarda momentaneamente suas batidas e a pressão arterial aumenta. Ao cabo de alguns segundos graças ao relaxamento dos vasos periféricos, a pele se torna mais corada. Baixa a pressão arterial e o coração acelera suas batidas.

Na aplicação de água fria verificam-se, pois, duas fases : em primeiro lugar a vasoconstrição e hipertensão:

em segundo lugar a vasodilatação e hipotensão. Logo em seguida, a -circulação volta, nos indivíduos normal;. ao seu estado habitual.

A vasoconstrição produzida pelo contato da água fria, é, pois, um reflexo de defesa destinado a diminuir a perda de calor. Nesse ato é modificada a distribuição da massa sangüínea Que conduz o calor. O sangue é afastado da periferia e impelido para dentro. Em resultado, há aumento de calor interno, e, em seguida, nas aplicações rápidas de água fria, vem a irradiação do calor do centro para a periferia, em virtude da vasodilatação, graças à qual o sangue é enviado, em abundância, do centro para a periferia.

Nas aplicações mais prolongadas de água fria, a fase da vasoconstrição é mais demorada e a fase da vasodilatação é menos rápida e menos ativa, maior é o esfriamento do corpo e mais lento o seu aquecimento.

Nas aplicações demasiadamente prolongadas, o aquecimento pode faltar.

Água quente

A água quente produz, como a água fria, a excitação da sensibilidade periférica e determina quase igual série de reflexos. A principal diferença é que a água fria é mais tônica e sedativa que a água quente. Outrossim, a aplicação demasiadamente longa desta última é deprimente.

Com água quente também se verificam as duas fases já mencionadas:

1- vasoconstricção com hipertensão

2-vasodilatação com hipotensão.

A princípio há, com a aplicação de água quente, produção de muito calor. Depois a defesa orgânica contra a elevação da temperatura interna se efetua por meio de uma vasodilatação periférica enérgica, e por transpiração se a aplicação é de duração suficiente.

As aplicações hidroterápicas frias ou quentes têm, em seus efeitos sobre o corpo humano, a pele como intermediário. Da superfície da pele parte a impressão sensitiva que constitui a reação da sensibilidade, o reflexo vasomotor que provoca a reação circulatória, e o reflexo térmico que regula, por meio dos vasomotores, o gasto de calor periférico.

Por outro lado, o estado da pele também sofre modificação. As duas fases – vasoconstrição e vasodilatação

  • a afetam especialmente, de vez que os capilares cutâneos são os mais diretamente interessados. A pele fica, sucessivamente pálida, e, logo em seguida, rosada, em virtude dos movimentos vasculares, graças aos quais a pele pode desempenhar-se mais facilmente das suas funções das quais, a que mais nos interessa no momento, é a eliminação das substâncias morbosas, pela freqüente transpiração, este resultado pode ser alcançado tanto com água fria como com água quente, mas o efeito da primeira é maior.

A hidroterapia, como tratamento capaz de operar profundas modificações no organismo, tem igualmente influência sobre a nutrição, pois está comprovado que este tratamento aumenta o número de glóbulos vermelhos e de glóbulos brancos do sangue, aumenta a taxa de hemoglobina, age sobre a excreção urinária, tem efeito sobre a evacuação, aumenta a eliminação das matérias azotadas e do ácido úrico, ele.

Banhos quentes

Os banhos quentes (de 37° a 40°C) são tônicos se são curtos (5, 10 ou lá minutos). Sendo mais demorados, ou muito freqüentes, tornam-se deprimentes. Inicialmente a temperatura da água deve ser morna ou neutra (30° a 35°C) ; vai-se acrescentando água quente aos poucos, até que a temperatura chegue a 40°C. Quem não está acostumado a tomar banhos quentes, deve começa com banhos rápidos, digamos de 5 minutos, aumentando um pouco a duração em cada banho seguinte. Estes banhos se recomendam aos obesos, aos que sofrem de gota, podagra, reumatismo, às pessoas predispostas aos espasmos; recomendam-se também para aliviar convulsões, etc.

No começo da febre escarlatina, do sarampo, da rubéola, um banho quente de 10 minutos, faz aparecer a erupção. O banho quente também é bom para provocar o aparecimento da menstruação e para aliviar a menstruação dolorosa. O banho quente faz suar e ajuda a eliminar as substâncias morbosas que o corpo envenenado por um falso modo de viver é demasiado fraco para por si mesmo expulsar. Antes de se tomar um banho quente, deve-se tomar copiosa quantidade de água fria. Durante o banho é bom aplicar compressas frias à cabeça, para evitar a congestão cerebral.

À água do banho acrescenta-se o cozimento de folhas de eucalipto, cavalinha, flores de feno, e outras plantas. Imediatamente ao sair do banho quente, deve a pessoa tomar um choque de água fria. Pode tomar um chuveiro frio, rápido, de meio minuto, ou alguém derramar-lhe água fria por cima. Isso para evitar que se resfrie.

Banhos neutros

Os banhos neutros (33° a 36°C – 10 a 20 minutos) são bons para as pessoas enfermas, para os débeis, anêmicos, reumáticos, nervosos, para os que sofrem de insônia, etc. Se se toma o banho para combater a insânia, etc. Se se toma o banho para combater a insônia, toma-se imediatamente antes de se deitar. À água do banho pode-se acrescentar o decocto de muitas plantas medicinais. Durante o banho, é bom refrescar a cabeça com água fria. No fim toma-se um chuveiro frio rápido.

Banhos frios

Os banhos frios (8° a 15°C) de imersão, não devem durar mais do que 1/2 a 1 minuto. Os de chuveiro podem durar um pouco mais. Boa praxe é começar com um banho bem curto e estender a duração em cada banho seguinte.

Pode-se tomar o banho frio de manhã e de noite, imediatamente antes de deitar-se, mas pelo menos duas horas depois da comida.

Ao entrar no banho, é preciso que o corpo esteja quente. Quem sente frio deve esquentar-se antes do banho, mediante exercícios físicos, fricções no corpo, ou mediante um banho quente.

As pessoas debilitadas, os enfermos de enfermidades crônicas, devem, para fortificar-se, começar com banhos frios parciais (pedilúvios, banhos de assento, banhos de tronco, afusões), pois se começassem diretamente com os banhos frios totais, os mesmos poderiam fazer-lhes mais mal do que bem. Depois de experimentarem a eficácia dos banhos parciais, poderão tomar banhos frios de corpo inteiro. Ou, então, poderiam começar com banhos totais, quase mornos e reduzir a temperatura da água em cada banho subseqüente até que suportem bem o banho frio.

os banhos frios rápidos têm efeito fortificante sobre o sistema nervoso. Quando prolongados podem ocasionar resfriamento, a menos que se observem freqüentes intervalos para fricções.

São muito usados os banhos frios para diminuir a febre, inclusive a febre tifóide.

Banhos quentes de assentos

Põe-se na banheira água à temperatura de 38°C aproximadamente. A água pode chegar até o umbigo.

Aumenta-se gradativamente a água até 45°C.

Quem não tiver banheira própria para banhos de assento, pode usar uma bacia funda, ou arranjar uma tina ou adaptar um barrilote de madeira. À água do banho acrescenta-se o decocto de plantas medicinais indicadas neste livro. Mantém-se fresca a cabeça com uma compressa de água fria. Os pés devem estar mergulhados em água quente (43° a 48°C), num balde, lata ou bacia. O corpo deve estar bem agasalhado. Durante o banho deve beber-se água fresca. A duração do banho pode ser de 10 a 20 minutos. Os banhos de assento quentes servem para atrair o sangue para os órgãos abdominais. Empregam-se, com excelentes efeitos, na congestão da cabeça, nas perturbações da digestão, nas enfermidades do estômago, do intestino, do fígado, dos órgãos sexuais, dos rins, do coração, dos olhos, da garganta, etc. Empregam-se para aliviar as dores na menstruação, na micção difícil das pessoas idosas, nas hemorróidas, e em outros casos em que haja dores no baixo ventre; também nas inflamações do útero, dos ovários, da vagina, da bexiga, etc. Especialmente nas cólicas e nos cálculos do fígado, dos rins, e da bexiga, o banho de assento bem quente tem considerável efeito anódino, isto é, alivia grandemente as dores. Ao levantar-se do banho toma-se uma afusão de água fria nos quadris, não, porém, nos casos de menstruação e micção difícil.

Banhos neutros de assento

A temperatura da água é de 33° a 37°C. Os efeitos dos banhos neutros são, em menor grau, paralelos aos

dos banhos quentes. Também aqui o decocto de plantas medicinais, acrescentado à água do banho, traz bons resultados. Tomados nos últimos dois meses da gravidez cada dia, durante 15 minutos, esses banhos são muito úteis para facilitar o parto. Além disto, facilitam o sono.

Banhos frios de assento

A temperatura da água é de 8° a 15°C. Bom é começar com uma temperatura quase morna e baixá-la em cada banho seguinte. A quantidade de água deve ser suficiente para cobrir os quadris, ou seja, tanta quanta chegue até o umbigo. A duração é de 2, 3, 4 ou 5 minutos. Os pés devem estar mergulhados em água quente (40° a 43°C).

São muito importantes, especialmente para o abdômen, pois regulam a circulação do sangue nesta região do corpo. Aplicam-se nas moléstias abdominais, nas hemorragias, nas hemorróidas, na clorose, na digestão fraca, na prisão de ventre, na dilatação do útero após o parto, na insônia, no nervosismo, em casos de hemorragia do útero, da vagina ou dos intestinos. Tomam-se preferivelmente de manhã, ao levantar-se, e de noite, ao deitar-se, num recinto quente. Deve-se estar agasalhado a fim de evitar o resfriamento.

Ao sair do banho, deve-se friccionar bem os quadris, para aumentar os efeitos estimulantes sobre a circulação.

Banhos de assento alternados

É necessário ter duas tinas: uma com água quente (35° a 37°C) e outra com água fria (8° a 15°C).

Acrescenta-se à água quente o decreto de folhas de eucalipto, cavalinha, flores de feno, ou outras ervas medicinais.

A duração do banho é de 15 a 20 minutos. Cada 5 minutos a pessoa em tratamento sai da água quente e senta-se, 1 minuto, na água fria. O banho alternado, de assento, produz bom efeito em casos de reuma-tismo, espasmos dos rins e da bexiga, cálculos, afecções do aparelho urinário, etc.

Banhos de tronco

Os banhos de tronco, como o próprio nome diz, abrangem somente o tronco. Usa-se, para esta espécie de banhos, uma tina com as costas bem inclinadas para trás. A água deve chegar até os quadris ou até o umbigo. A temperatura da água é entre fria e morna, ou seja, de 17° a 25°C. Os pés não são postos em água. O tronco fica recostado ao espaldar da tina, ou seja, fica numa posição entre sentado e deitado.

As partes não banhadas do corpo, como sejam os ombros, o peito, as pernas e os pés, devem ser aga-salhados com um cobertor ou com roupas ou com panos de flanela ou lã. Fricciona-se constante e ener-gicamente, mas sem violência, o baixo ventre, sempre a partir do umbigo para baixo e para os lados, com um pano grosso, até que o corpo se refrigere. O arrefecimento necessário vem depois de 10 ou 15 minutos. Para diminuir ainda mais a temperatura elevada do interior do corpo, pode-se continuar o banho por mais 5 minutos. Para as pessoas débeis, e para as crianças, bastam 5 minutos ao todo.

O banho de tronco é ótimo refrescante do interior do corpo, pelo que tem bom efeito em casos de febre, inclusive na febre tifóide. Geralmente bastam dois ou três banhos por dia. Um banho de tronco diário, durante o período da gravidez, facilita o parto. Tem aplicação eficaz, também, nas afecções do estômago, dos intestinos, dos rins, do fígado, etc. ; ajuda a eliminar as substâncias morbosas do corpo; mostra-se igualmente eficaz nas moléstias sexuais, nas moléstias dos olhos, da cabeça, do pescoço, da laringe, etc. Terminado o banho, aquece-se o corpo, fazendo uma fricção geral, rápida, ou voltando à cama, ou dando um passeio com o corpo bem agasalhado, ou fazendo algum trabalho ao ar livre, ou exercícios físicos, ou tomando um banho de sol. Não se deve comer imediatamente após o banho, senão depois de restabelecido o calor normal do corpo.

Banhos vitais

O banho vital é considerado por muitos terapeutas como uma das mais eficazes aplicações hidroterapêuticas. Ele actua mais especificamente no sistema circulatório, no sistema nervoso e nos órgãos excretores e genitais. Além disso, regulariza a digestão, estimula os rins, o fígado, combate a insónia e favorece a eliminação de toxinas pelo organismo.

Para este banho, usa-se uma bacia apropriada e um pedaço de pano dobrado. Encha a bacia com água fria e coloque dentro um banquinho, onde deverá sentar-se. Com movimentos regulares, molhe o pano na água fria da bacia e suba massageando a genitália e a virilha, até à altura do umbigo; desça a mão pelo outro lado, formando um triângulo. Repita este movimento pelo lado onde terminou o movimento anterior, sempre descendo o pano até à água, de forma que ele fique sempre bastante encharcado. Este procedimento deve ser repetido durante 20 minutos, com os pés colocados numa bacia com água quente, que deve ser renovada à medida que for esfriando.

Todo o corpo deve ficar fora d’água, exceto os pés, que se põem em água quente.

Banhos genitais ou semicúpios

Tomam-se estes banhos sentado numa cadeira, num banquinho ou numa tábua estendida sobre uma cuba ou tina contendo água fria em abundância, a saber, uns 30 ou 40 litros. Pouca quantidade se aqueceria logo, e o banho perderia sua eficácia. O corpo fica todo fora da água. A pessoa em tratamento inclina-se um pouco para a frente, e, com um pano mergulhado repetidamente na água fria, lava continuamente apenas as extremidades externas e anteriores dos órgãos sexuais, tomando sempre tanta água quanto o pano possa absorver, sem torcê-lo. Não se deve esfregar com violência. Fricciona-se de leve. As mulheres devem ter o cuidado de lavar somente o exterior e nunca o interior, e durante a menstruação devem suspender o semicúpio. A duração do banho é de 10 a 30 minutos. A eficácia do semicúpio se explica por dois fatos: Em primeiro lugar, como o interior do corpo é caracterizado pela presença de grande calor produzido pela fermentação das substâncias estranhas, este banho refresca o interior sem provocar o esfriamento do resto do corpo. Ao contrário, as partes frias, mormente dos enfermos de enfermidades crônicas, sofrem aquecimento. Graças a esta ação, normaliza-se a temperatura anormal, interna, provocada pela fermentação das matérias morbosas. Em segundo lugar, este banho tonifica grandemente o sistema nervoso, e aumenta a força vital do corpo inteiro. Em nenhuma outra parte do corpo humano se encontram tantos nervos importantes como na parte a que se aplica este banho. As extremidades de grande número de nervos da medula espinhal e do sistema nervoso simpático constituem os principais nervos do baixo-ventre, e, sendo estas extremidades influenciadas pela aplicação de água fria, exercem influência sobre todo o sistema nervoso. A água fria aplicada às partes genitais fortifica consideravelmente. os nervos e reanima a força vital de todo o organismo.

Pedilúvios quentes (escalda-pés)

Põe-se numa bacia, tina, lata ou balde uma quantidade de água suficiente para cobrir os tornozelos.

A temperatura inicial deve ser de 35° a 40°C, devendo acrescentar-se mais água quente aos poucos, até elevar a temperatura a 48°C ou até o máximo que se possa suportar. A duração do banho é de 10 a 20 minutos.

Sendo muito quente a água do banho, ou havendo tendência para o desmaio, é bom refrescar a cabeça com uma compressa fria. O escalda-pés é de bom efeito como auxiliar de outros tratamentos. Atrai para os pés o sangue das demais partes do corpo. Emprega-se, outrossim, com bom resultado, quando há sensação de frio (falta de calor corpóreo), quando a água fria não provoca reação por escassez de sangue, e em casos de anemia, nervosismo, falta de sono, desordens na circulação do sangue, congestões, espasmos, falta de menstruação, gripes, resfriados, dor de dente, etc Como os pedilúvios resolvem e fortificam, aplicam-se também com muita eficácia nos suores dos pés, podagra, panarícios, chagas, .contusões, lesões, tumores, etc. dos pés. Para os que sofrem de varizes a temperatura da água não deve ser superior a 31°C. Também aqui não devem ser esquecidas as preciosas plantas curativas segundo indicações que damos, nas páginas seguintes, para cada caso especifico. Quando se toma um pedilúvio quente, com o cozimento de plantas curativas, deve-se por fim aplicar um jorro frio aos pés ou pô-los, durante 1 minuto, em água fria. As senhoras grávidas não devem fazer uso de escalda-pés, pois pode provocar aborto.

Pedilúvios frios

Põe-se numa lata ou num balde a quantidade de água suficiente para alcançar a barriga da perna. Melhor, todavia, é a água corrente. A duração do banho é de 2 ou 3 minutos. A principio há uma sensação desagradável. Em seguida vem uma sensação de calor e a pele das partes submergidas avermelha. O pedilúvio frio e curto excita a circulação local do sangue e combate o frio habitual dos pés. Convém, pois, às pessoas que sofrem de pés frios. O banho frio de pés ajuda a desviar o excesso de sangue na cabeça, pelo que convém em casos de insônia.

Pedilúvios alternados

Usam-se dois baldes, latas ou outros recipientes. Num vai água fria e noutro água quente, tão quente quanto se possa suportar. A quantidade deve ser suficiente para alcançar a barriga da perna, podendo mesmo ir até os joelhos. A duração do pedilúvio alternado é de 10 a 20 minutos. Põem-se os pés, alternadamente, 5 minutos em água quente e 1 minuto em água fria, acabando-se com água fria. Terminado o banho, friccionam-se os pés com uma esponja ou um pano, e calçam-se, logo, meias e sapatos. O pedilúvio alternado ativa a circulação do sangue nos pés, pelo que é útil para desviar o excesso de sangue da cabeça. O que ajuda a alcançar este resultado é a aplicação de compressas frias à cabeça.

Banhos de vapor e Inalação

Para tomar estes banhos, é preciso que a pessoa tenha uma caixa própria, dentro da qual possa sentar-se, fechando-a bem e ficando só com a cabeça de fora. No interior da caixa instala-se um assento de grade, ou uma cadeira de assento perfurado, para dar passagem ao vapor. Em baixo coloca-se uma chaleira elétrica, grande, com água a ferver. Caso uma não dê vapor suficiente, podem usar-se duas. Pode-se, em vez de chaleira elétrica, calocar, fora ao lado da caixa, uma pequena caldeira, ou um pequeno tambor com um tubo ou mangueira a desembocar no interior da caixa soltando ai o vapor. Basta também. uma panela de vapor ordinária com uma abertura em forma de funil, em que se põe a mangueira. A panela, cheia de água, com plantas medicinais (cavalinha, folhas de eucalipto, etc.), é posta sobre o fogão. Assim que a água começa a ferver e soltar o vapor na caixa pelo tubo de borracha, entra-se na caixa, fecha-se bem, passa-se uma toalha em volta do pescoço, para fechar a abertura por onde a cabeça fica do lado de fora. Aproveita-se, assim, melhor, o vapor, evitando o seu escapamento.

Cuide-se, porém, o banhista, para não se escaldar. A duração do banho é de uns 15 a 30 minutos. Bom é começar com banhos mais curtos (10 minutos) e estender a duração em cada banho seguinte. Durante o banho bebe-se algumas vezes água fresca, e refresca-se o rosto e a cabeça, a miúdo, com uma toalha molhada em água fria e torcida. Ou, então, se pode aplicar uma compressa fria à cabeça, renovando-a várias vezes, ou seja, sempre que se aqueça. Pode-se interromper o banho de vapor uma, duas ou três vezes para tomar um chuveiro, frio, rápido de meio minuto, e fazer fricção no corpo. Termina-se o banho de vapor com um chuveiro frio de um minuto. Quem quer continuar a suar, deve, imediatamente ao sair da caixa, e sem tirar o suor com um chuveiro frio, envolver-se num lençol mergulhado em água quase fria (entre 20° e 25°C) e bem torcido, e cobrir bem o corpo, com bastante cobertores, na cama. Continua-se a suar Por mais 45 minutos até uma hora. O suadouro deve ser terminado com um chuveiro frio rápido ou com uma fricção rápida comum pano torcido em água fria. Não somente os enfermos, senão também os sãos devem tomar banho de vapor de quando em quando, podendo ser um por semana. Os banhos de vapor e todos os suadouros, seguidos de chuveiro frio, rápido, ativam a circulação do sangue e promovem a expulsão das impurezas que, retidas no interior do organismo, poderiam mais tarde trazer várias afecções. os banhos de vapor constituem, pois, excelente remédio contra quase todas as enfermidades, pois que a maioria das doenças têm, por causa primária, impurezas no sangue, e tais banhos são também um bom meio de prevenir moléstias. Quando, por exemplo, suspeitamos o começo de uma enfermidade eruptiva (sarampo, rubéola, escarlatina, varicela, etc.), não devemos esperar até que a doença se manifeste. Devemos entrar logo no banho de vapor, para que, pela sudação, sejam expelidas as substâncias venenosas e apareça a erupção. As plantas medicinais, incluídas na água a ferver, prestam grande auxílio.

Os banhos de vapor são excelentes para depurar o sangue e para descongestionaras vias respiratórias. Combate dores de cabeça, catarro nos brônquios e sinusite. Nestes casos, a aplicação de vapor deve ser direccionada para a cabeça e o tórax do paciente, intercalados a cada 5 minutos, com fricção de toalha molhada em água fria. Para preparar a inalação, use um caldeirão, uma lata que possa ir ao fogo ou uma panela de boca larga, cheia de água e ervas medicinais. Use fogo alto, deixe ferver por alguns minutos e depois leve imediatamente ao paciente, que deverá inalar o vapor que sobe da fervura, abrigado por um cobertor. Ao final da inalação, faça fricção com toalha molhada em água fria para fechar os poros. Pessoas com baixa pressão arterial e que sofrem do coração não devem tomar banhos de vapor.

Saunas Vaporizadas

Os banhos de sauna são feitos em instalações apropriadas e têm as mesmas propriedades dos banhos de vapor e inalação. A pessoa permanece no ambiente vaporizado durante 10 minutos, em seguida sai e toma uma ducha rápida de água fria, voltando ao vapor. Repete-se o procedimento várias vezes. Pessoas com baixa pressão arterial e que sofrem do coração não devem tomar banhos de vapor.

Compressas quentes

A fomentação é um dos processos mais comuns, fáceis e eficazes da hidroterapia. Mergulha-se um pano, dobrado em 4 ou 6, em água ou chá quente de plantas medicinais, segurando-o pelas pontas, para não queimar as mãos, e torcendo-o várias vezes para deixar escorrer bem a água. Aplica-se a compressa, à parte dolorida, tão quente como se possa suporta-la. Por cima da compressa vai um pano de lã ou flanela. Como a compressa logo se esfria, é necessário mudá-la cada 3 ou 5 minutos. E, para que o paciente não necessite esperar, é necessário ter outra compressa já pronta. Usam-se, portanto, dois panos dobrados em 4 ou 6. Nunca se deve colocar outra compressa sem enxugar primeiro a parte tratada. Sempre que possível, deve-se ter à mão, também, como é evidente, a panela de água fervendo. A duração total da aplicação é de uns 30 minutos. Em seguida ao tratamento, faz-se uma fricção leve e rápida com um pano úmido, frio, e a parte tratada deve ser envolvida em panos de lã ou flanelas secos, Em Casos de dor muito forte, não se faz a fricção fria no fim. Se a dor não cessa, pode-se, depois de meia hora, fazer nova aplicação de compressas quentes. Outro processo é o que consiste em colocar a compressa torcida, bem quente, entre dois Panos, de maneira que a parte em tratamento receba o vapor da compressa quente. Esta fomentação basta mudá-la cada 5 ou 8 minutos. Aplicam-se compressas quentes ao ventre nos seguintes casos: fortes dores abdominais, cólicas do fígado provenientes dos cálculos biliares (pedras na vesícula biliar), cólicas resultantes da gota, disenteria, enterite aguda, indigestão, hipocondria, timpanite, prisão de ventre persistente, espasmos do estômago e da bexiga, gota intestinal e estomacal, inflamações dolorosas no abdômen. Aplicadas ao peito, as compressas quentes dão bons resultados em casos de congestão pulmonar, pleurisia, bronquite, tosse, etc. Aplicadas à face, aliviam a nevralgia facial, a dor de dente, etc ; resolvem também o terçol. Aplicadas à região lombar (na parte traseira da cintura), aliviam as dores em casos de lumbago. Aplicadas ao espinhaço (costas), facilitam o sono. Aplicadas às articulações aliviam as dores em casos de artrite, sinovite, higroma, etc.

Ao final do procedimento, molhe um pano em água fria e passe sobre a região da compressa, para fechar os poros.

Compressas frias, refrigerantes

Mergulha-se em água fria (ou chá medicinal frio, com um pouco de sal) um pano dobrado em 4 ou 6, torce-se e faça a aplicação directamente na região enferma à parte que se vai tratar. A água deve, naturalmente, ser provida com antecedência, com o decocto de plantas medicinais, e deixada a esfriar. Como a compressa se aquece logo, é necessário renová-la com freqüência, pelo que se deve ter outra compressa já pronta. Renova-se cada 4 ou 5 minutos, e, desta maneira, se obtém uma subtração de calor. Este processo produz, em miniatura, o que produz a envoltura em lençol molhado, frio. Emprega-se como antiflogistico e vasoconstritor, as compressas frias são especialmente indicadas para as inflamações locais, hiperemia, acessos de gota, artrite aguda, congestão renal, congestão cerebral, meningite, peritonite aguda, febre tifóide, apendicite, dores de cabeça de origem nevrálgica e dores reumáticas.

Cubra a um pano seco, preferencialmente de lã. Se usar sal na compressa, a cada 10 minutos substitua a gaze, pois ela é aquecida pelo contacto com o corpo.

Compressas frias, termógenas ou aquecedoras

Dobra-se um pano em 4 ou 6, mergulha-se em água fria, torce-se e aplica-se segundo a finalidade para que se necessita. Em volta da compressa passam-se outros panos, secos, impermeáveis, em boa quantidade, (podem ser flanelas), para evitar o escapamento do calor produzido, pois a compressa fria logo começa a esquentar. Tal compressa fica várias horas, ou toda a noite, no lugar a que é aplicada. A principio, ela esfria a pele e a irrita. Logo, porém, a pele começa a aquecer-se, pouco a pouco, e, finalmente, o calor produzido sob a compressa acaba por secá-la. Segundo a sua finalidade terapêutica, pode-se aplicá-la a várias partes do corpo. Empregam-se nos seguintes casos : bronquite, enfisema, dispepsia, espasmos do piloro, prisão de ventre, congestão do fígado, transtornos motores do estômago e intestinos, angina faringite, espasmos da laringe. Notando-se que a compressa, depois de aquecer-se, começa a esfriar, deve-se tira-la, sob pena de se obter um resultado contrário ao que se queria alcançar. Terminado o tratamento, deve-se, ao tirar a compressa, friccionar rapidamente, com um pano úmido, frio, a parte tratada, enxugando-a logo com um pano ou toalha.

Instruções necessárias à aplicação da Hidroterapia

1.. Ao proceder-se a um tratamento com água fria, o corpo deve estar quente. Se a pessoa que vai tratar-se sente frio, deve primeiro aquecer-se mediante exercícios físicos, ou fricções no corpo, ou por um pedilúvio quente. Se o compartimento onde se vai fazer o tratamento é frio, deve-se aquecê-lo, para o que se pode queimar álcool numa bacia.

  1. A distância mínima entre os tratamento e as refeições é uma hora antes da comida ou três horas depois. 3. Em seguida ao tratamento com água fria, deve-se aquecer o corpo com fricções, exercícios físicos ou banhos de Sol.
  2. Depois de um banho de vapor, ou um banho em água quente, ou um suadouro, deve-se tomar um chuveiro, ou afusão, ou irrigação de água fria, rapidamente, para evitar resfriamento.
  3. Os tratamentos com água fria não devem ser aplicados muito perto um do outro. Deve-se observar, entre um e outro tratamento, um intervalo suficiente para permitir que o corpo readquira seu calor normal.
  4. Se o paciente está dormindo, não se deve despertá-lo para aplicar-lhe o tratamento. Na cura das enfermidades, o sono tem bom efeito. Em caso de febre, pode-se despertar o enfermo, porque, então, o sono não é natural.
  5. Durante os tratamentos de processo derivativo (banhos de vapor, banhos de assento quentes, escalda-pés, etc.), não se deve ler, porque a leitura atrairia o sangue para o cérebro.
  6. Não se alcançando imediatamente os resultados desejados, não se deve desanimar nem pôr em descrédito a eficácia dos tratamentos naturais. Muitas vezes, nos casos crônicos, só se alcança a cura depois de aplicações prolongadas.
  7. No tratamento das crianças, quando estas gritam de medo e aversão pelas aplicações, deve-se proceder com muito jeito, pois uma agitação violenta poderia tornar pouco aproveitável ou mesmo prejudicial o tratamento.
  8. Finalmente, tornamos a salientar que não deve faltar nenhum dos fatores de saúde mencionados no primeiro capitulo deste livro, pois pouco ou nada adiantariam ao paciente os tratamentos hidroterápicos e as plantas medicinais, se ele continuasse a viver uma vida de transgressão às leis da natureza.
REGRAS BÁSICAS DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Alimentação Saudável: Regras Básicas

Como todos os seres vivos, o homem necessita de alimentos.
Hoje, a maioria das pessoas come mal. Uns comem em demasia, outros morrem de fome, e, em muitos casos, cometem-se muitos erros alimentares que podem provocar graves doenças.
Além da dieta balanceada e da correta escolha e combinação dos alimentos, é necessária uma mudança de hábitos para se obter uma melhor digestão e assimilação dos nutrientes. Nenhum alimento é mais importante do que o outro, a ingestão de alguns alimentos deve ser feita em maior quantidade que outros, alguns devem serem evitados ou usados moderadamente.

Coma à vontade. Você pode.

Mas lembre-se de que os maus hábitos alimentares às vezes se tornam um problema para o resto da vida

Quando os filhos chegam à adolescência, muitos pais abrem mão de uma de suas responsabilidades: a de cuidar para que se alimentem direito. Fazem isso convictos de que não há mesmo remédio, visto que jovem só come porcaria. Não é bem assim. Um estudo realizado com alunos de 12 a 18 anos das escolas públicas de São Paulo concluiu que eles comem o mesmo que os adultos, só bebem mais refrigerantes. Outra pesquisa, da Universidade Federal de São Paulo, mostra que os adolescentes de classe média consomem muita gororoba gordurosa na escola, mas fazem as refeições principais em casa. Na média, um adolescente vai à lanchonete (para engolir a bomba calórica hambúrguer-refrigerante-batata frita) três vezes por semana.

No auge do crescimento, entre os 12 e os 15 anos, um jovem pode consumir sem susto 10% mais de calorias diárias que o indicado para um adulto. “O adolescente usa a energia para esticar, enquanto o adulto certamente vai crescer para os lados”

A proporção de jovens com sobrepeso quadruplicou nos últimos trinta anos e chegou a 14% na faixa etária dos 8 aos 18 anos. A culpa é da vida sedentária e do excesso de comida industrializada, rica em farináceos e gorduras, sobretudo entre a população mais pobre. O efeito perverso do engordamento precoce é o aumento das doenças cardiovasculares e do diabetes tipo 2.

A geração atual é provavelmente a mais preocupada com comida saudável de todos os tempos. Está em alta ser vegetariano, eliminar a carne vermelha do cardápio e preferir produtos com o rótulo diet. Nesse estilo também vale a regra do bom senso: excessos fazem mal à saúde. Quanto mais variada, mais saudável é a alimentação. O maior perigo mora nos maus hábitos, que tendem a se perpetuar. A comida gordurosa não faz mal para quem está crescendo. Mas, com o fim da adolescência, o metabolismo desacelera e o corpo pára de queimar calorias com a mesma eficiência. Se um jovem adulto continuar a comer a mesma quantidade de comida da época de adolescente, será inevitável que fique gordo.

Alimentar-se nos horários corretos

Existe um ritmo biológico natural do organismo, segundo a teoria do ciclo circadiano, preconizando que a cada duas horas um órgão ou função orgânica está mais polarizado.

O estômago, por exemplo, entre as 7 e 9 horas se encontra mais apto a receber a primeira refeição do dia, sendo portanto, ideal que esta seja mais rica e variada. Realizar o almoço seis horas após a refeição matinal e o jantar entre 19 e 21 horas, não ingerindo nesta, alimentos em excesso e de difícil digestão, pois estando o metabolismo digestivo diminuído neste horário, uma sobrecarga pode prejudicar o sono fisiológico noturno.

Procurar alimentar-se com prazer

É óbvio que o melhor é alimentar-se com tudo aquilo que é saudável, mas também é fundamental escolher alimentos que façam do ato alimentar um prazer. Valorizando-se o verdadeiro paladar dos alimentos e oferecendo ao mesmo tempo o que há de melhor para o seu organismo, é uma enorme demonstração de auto-estima.

Mastigar os alimentos lentamente

A digestão dos alimentos tem origem na boca através da mastigação e salivação. Portanto, é preciso deixar por um longo tempo o alimento em contato com a saliva, na boca, para que a digestão comece de forma mais efetiva.

Além disso, uma correta mastigação atua na sensação de fome e saciedade, que é controlada pelo hipotálamo, no cérebro. O nível de glicose no sangue, proveniente da digestão dos carboidratos, se eleva durante a digestão, transmitindo ao cérebro um estímulo no centro nervoso de saciedade. Isso leva de 15 a 20 minuto. Se engolirmos o alimento sem mastiga-lo bem, acabamos por necessitar ingerir uma maior quantidade de alimentos durante o tempo que o cérebro necessita para transmitir a sensação de saciedade. Portanto, uma mastigação correta e adequada pode levar a uma menor necessidade de ingestão e alimentos, com conseqüente perda de peso. A desatenção e a pressa durante o ato de comer estão intimamente relacionadas à obesidade. Uma mastigação correta estimula os músculos da face e os dentes, ativando a circulação sangüínea dessa região. A mastigação lenta e efetiva, aliada a uma postura de calma e tranqüilidade frente ao ato de se alimentar, pode repercutir em melhoria da digestão e bem-estar. Na nossa cultura contemporânea, onde a velocidade impera, é importante parar para perceber o verdadeiro sabor dos alimentos e imprimir um ritmo e uma forma saudável para alimentar-se e viver.

Não utilizar líquidos durante as refeições

No estômago, o ácido clorídrico e outras enzimas digestivas originam um meio ácido importante para a digestão de alimentos. Uma manutenção constante desta acidez durante o processo digestivo permite uma melhor atividade desse processo; contudo, a administração de líquidos durante as refeições diminui a acidez e a concentração de enzimas, dificultando e aumentando o tempo de digestão dos alimentos no estômago. Assim, o ideal é não consumir líquidos até meia hora antes e duas horas após as principais refeições.

Alimentar-se com dietas leves nas crises emocionais

Quando o estado emocional apresenta-se alterado, com agitação, nervosismo, cansaço e preocupações, há uma diminuição das secreções gástricas, prejudicando o processo digestivo. Por esse motivo, é importante não ingerir alimentos de difícil digestão nos momentos em que essas alterações estejam presentes, dando preferência pra alimentos como saladas, sucos de verduras ou frutas.

Uma alimentação saudável que proporcione uma eliminação adequada das toxinas

A capacidade do organismo em assimilar os nutrientes é apenas uma parte de sua funções para manter um estado de saúde. Porém, o organismo necessita também eliminar os resíduos tóxicos e esse processo é tão importante quanto a assimilação dos nutrientes essenciais. Assim, o correto funcionamento dos rins e intestinos, através da ingestão adequada de água e fibras vegetais é um procedimento natural, visando um incremento na eliminação das toxinas e contribuindo para a manutenção do equilíbrio orgânico.

A atividade física

Todo organismo se beneficia com a atividade física regular, principalmente pelos resultados de melhoria nas funções cardiovascular e respiratória; isto porque ocorre uma ampliação do transporte de oxigênio e nutrientes para todas as células orgânicas.

Paralelamente, também há uma ampliação do transporte de dióxido de carbono e toxinas metabólicas das células para a corrente sangüínea e, finalmente, para os órgãos depuradores, ou seja, pulmões, fígado e rins, facilitando a remoção dos detritos do organismo. Contudo, a atividade física regular é particularmente importante para se reduzir o risco de doenças cardíacas, por promover um aumento na capacidade funcional do coração, através da redução da pressão arterial e a obesidade.

Além disso, segundo um estudo científico publicado pelo American Journal of Epidemiology, a atividade física regular está fortemente associada com a diminuição de estados depressivos, ansiedade, insônia, esgotamento físico e mental. Todavia, antes de iniciar um programa de atividade física, é muito importante uma avaliação médica geral e cardiológica, principalmente sendo fumante e apresentando mais de 35 anos de idade. As melhores atividades são as caminhadas em ritmo moderado, andar de bicicleta, a hidroginástica e a dança aeróbica.

Um mínimo de 15 a 20 minutos de exercícios na freqüência de treinamento individual pelo menos três vezes por semana são necessários para se promover algum benefício no organismo.

Fitoterapia O que é?

A aplicação de plantas já era conhecida e praticada pelas antigas civilizações.As plantas contém princípios ativos capazes de nos curar nas diversas doenças. É uma terapia com a propriedade de auxiliar na cura de diversas doenças, de forma barata e não-agressiva, pois estimula as defesas naturais do organismo e reintegra o ser humano às suas raízes terrestres. O conhecimento empírico da chamada medicina caseira, vindo através das gerações, nos traz até hoje o uso de chás e infusões que, embora utilizados sem nenhum contexto científico, se revelam eficazes em muitas ocasiões.

o que é Fitoterapia

Fitoterapia vem do Grego e quer dizer – tratamento (therapeia) vegetal (Phyton), ou ainda “a terapêutica das doenças através das plantas”. Fitoterapia é o recurso de prevenção e tratamento de doenças através das plantas medicinais, e a forma mais antiga e fundamental de medicina da Terra.

Principais efeitos Terapêuticos da Fitoterapia:

É cada vez maior o interesse sobre plantas e suas possíveis aplicações terapêuticas. O repertório de plantas usadas tradicionalmente é rico, predominando as formulações vegetais sobre os remédios de origem mineral e animal, também muito difundidos nas práticas da medicina popular brasileira.

A medicina popular e o conhecimento específico sobre o uso de plantas é o resultado de uma série de influências culturais, como a dos colonizadores europeus, dos indígenas e dos africanos.

Tal conjunto de conhecimentos sobre o uso de plantas forma hoje a “fitoterapia popular”, uma prática alternativa optada por milhares de brasileiros.

Para se ter uma idéia da importância das drogas obtidas de plantas medicinais, merece ser dito que cerca de 119 substâncias extraídas dessas plantas são utilizadas em todo o mundo, como a digitalina (cardiotônico), emetina (amebicida), escopolamina (sedativo), vimblastina e vincristina (antitumorais). Justamente em função disso devem ser incentivadas pesquisas na área, uma vez que o Brasil é um país privilegiado em termos de biodiversidade.

As plantas medicinais têm sido um importante recurso terapêutico desde os primórdios da Antigüidade até nossos dias. No passado, representavam a principal arma terapêutica conhecida. Em todos os registros sobre médicos famosos da Antigüidade, tais como Hipócrates, Avicena e Paracelso, as plantas medicinais ocupavam lugar de destaque em sua prática.

A origem da fitoterapia é impossível de ser determinada. O uso terapêutico de plantas medicinais é um dos traços mais característicos da espécie humana. É tão antigo quanto o Homem, e encontrado em praticamente todas as civilizações ou grupos culturais conhecidos.

Qual de nós já não experimentou um chá de erva doce para o intestino ou a digestão, de camomila para acalmar ou, ainda, um gargarejo de romã para a garganta irritada? Obviamente, nem só sob a forma de chás as plantas são úteis. Na verdade seu espectro de aplicação é muito abrangente.

Existem várias maneiras de manipular as plantas para obter o que a fitoterapia denomina o produto oficinal, ou seja, a erva em sua forma mais adequada ao uso desejado:

Muitas vezes encontramos tratamentos naturais à base de ervas e outras plantas medicinais e, no entanto, não sabemos como usá-las corretamente. Portanto, vale a pena conferir como podemos utilizá-las nos mais diversos processos:

Fitoterapia uso de CHÁS


Há diferentes maneiras para se preparar os chás, e todas elas estão diretamente ligadas a composição e as qualidades de cada erva ou planta medicinal. As formas mais conhecidas são:

Maceração – Você deve colocar de molho, em água fria, à temperatura ambiente, 1 a 2 colheres (chá) das ervas secas ou frescas para cada xícara de água. Para as partes mais duras o período de espera adequado é de 18 a 24 horas e, para as partes mais macias, de 12 a 18 horas.
Embora lenta, a maceração é um método excelente para obter o princípio ativo em toda sua integridade. Os veículos mais empregados são a água (que deve ser pura), o álcool, vinho ou vinagre. Em seguida, aqueça tudo levemente, coe e beba o chá (de preferência sem adoçá-lo), 3 a 5 xícaras por dia.

Infusão – Coloque as ervas frescas ou secas, na proporção de 1 a 2 colheres do chá da ervas para cada xícara de água, dentro de um recipiente, e despeje sobre elas, água fervente. Deixe-as repousar de 5 a 10 minutos (se forem utilizadas as partes mais duras das plantas (cascos, talos e raízes), o tempo de repouso na água fervente deverá ser de 20 a 30 minutos). O processo é particularmente indicado para as plantas aromáticas.Em seguida, coe e beba o chá, de preferência ao natural, isto é, sem açúcar, de 3 a 5 vezes por dia.

Decocção – Coloque em um recipiente adequado, contendo água fria, as ervas secas ou frescas, na proporção de 1 a 2 colheres (chá) de erva para cada xícara de água. Leve ao fogo brando e deixe cozinhar. Se utilizar as partes mais duras das plantas (raízes, cascas, talos, sementes etc.), estas deverão ser picadas e o tempo de cozimento deverá estar entre 20 a 30 minutos. As partes mais tenras (flores e folhas) levam cerca de 3 a 5 minutos de cozimento.
Depois de fervida, deixe a mistura em repouso por alguns minutos, coe-a e beba-a (3 a 5 xícaras por dia, de preferência sem adoçá-la).

Filtração – Usada para retirar partículas em suspensão de líquidos como tisamas, sumos, tinturas, etc., é feita com a ajuda de um cone de papel de filtro colocado dentro de um funil. Quando não se exige uma perfeita transparência do líquido, pode-se simplesmente coá-lo através de um tecido de algodão, lã ou feltro.

Gargarejo – Preparar o chá na forma de decocção. Esse chá deve ser bem forte. Deve-se fazer o gargarejo várias vezes ao dia.

Inalação: É uma preparação que aproveita a ação combinada de vapor de água quente com aroma das drogas voláteis. Coloca-se água fervente sobre porções de droga contida em uma panela de até ½ litro, usada como gerador de vapor. Deve-se aspirar os vapores ritmicamente (pode-se contar até 3 quando se aspira e até 3 quando se expele o ar) durante 15 minutos. O uso de uma cobertura sobre os ombros, a cabeça e a panela aumentam a eficácia do tratamento.

SUCOS

Os sucos obtidos de plantas frescas, aproveitam muito mais as vitaminas, sais minerais e outras substâncias, que são praticamente destruídas pelo calor usado ao se fazer o chá.

Os sucos podem ser preparados em centrífugas, liquidificador ou manualmente.

Se as frutas, as hortaliças ou as ervas forem suculentas, corte-as em pedaços pequenos e use a centrífuga. Se não possuir uma centrífuga, envolva as frutas ou ervas suculentas em um tecido fino, esprema-as torcendo o pano, colhendo o líquido num recipiente.

Se as frutas, ervas ou as hortaliças não tiverem muito líquido, corte-as em pedaços pequenos, acrescente uma pequena quantidade de água (para facilitar a operação), esmague-as em um pilão (até que se transformem em uma pasta) e coe-as. No lugar do pilão, você pode usar o liquidificador por curto tempo, acrescentando também uma pequena quantidade de água.

Atenção, os sucos são muito ricos em vitaminas e sais minerais; porém, perdem seu efeito após certo tempo. Dessa forma, como sua validade é muito curta, devem ser usados sempre frescos (nunca se deve prepará-los com antecedência).

Banhos – Cozinhar as ervas durante 20 a 40 minutos, coar e deitar o decocto na água que vai ser usada no banho.

Cataplasmas – São usadas sobre a pele e órgãos subjacentes, como se fossem uma compressa e, geralmente, são aplicadas frias, sobre inflamações, feridas doloridas e de difícil cicatrização, contusões agudas etc.

Há várias formas de se fazer e aplicar um cataplasma, sendo que as duas mais conhecidas são:

1) Aplicar as ervas frescas e bem limpas diretamente sobre as partes afetadas. Repetir a operação, com ervas secas, após 20 minutos.

2) Após limpar muito bem as ervas, amásse-as até que adquiram uma consistência pastosa. Aplique este preparado diretamente sobre a pele (ou envolva-o em um tecido fino e macio antes de colocá-lo sobre o local desejado) por, aproximadamente, 20 minutos. Trascorrido esse período, repita a operação, porém, agora, com ervas frescas.

É um preparado composto do pó de substâncias (obtido por decocção ou infusão) diluído até formar uma pasta mole. Excelentes remédios de uso externo, os cataplasmas podem ser aplicados quentes (para um efeito revulsivo ou maturativo) ou mornos (de efeito calmante).

Conclusão

Use instrumentos de madeira ao preparar cataplasmas (evite, portanto, o contato das ervas com metais).

Na falta de ervas frescas, pegue as secas e coloque-as sobre um tecido fino e macio. Costure ao redor desse tecido transformando-o em um saquinho. Mergulhe o saquinho em água quente, retire-o , esprema-o e aplique-o sobre as partes afetadas. Deixe-o no local e cubra-o com um pano de lã ou de tecido mais grosso, deixando-o atuar por cerca de 25 minutos.

Compressa: Preparação de uso tópico geralmente feita com pequenos pedaços de pano ou gaze embebidos em alguma loção, chá, cozimento ou sumo da planta. A compressa é colocada sobre a parte afetada e mantida levemente apertada.

Contusão – A substância é colocada num gral e socada até o ponto desejado (pó ou pasta).

Lambedor ou xarope: Indicados para crianças e pessoas que têm o paladar sensível, são muito empregados quando se quer melhorar o sabor de certas ervas medicinais. São utilizados principalmente no tratamento de tosses, catarros pulmonares, bronquites etc.

Para preparar o xarope você pode misturar sucos com mel, meio a meio e tomá-lo nas dosagens sugeridas; ou, se desejar, fazer o seguinte preparado:

Junta-se parte do chá ou do cozimento conforme o caso com uma parte de açúcar. Ferve-se a mistura desmanchando o açúcar até atingir o ponto de fio. Adicionar açúcar na proporção de 1/2 quilo para cada litro.

Loção: Este tipo de preparação é usada em banhos e compressas locais para limpeza e tratamento de feridas, coceiras e outras afecções da pele e do couro cabeludo. Coloca-se uma xícara das de chá contendo o infuso ou cozimento, junta-se adicionando-se ¼ de álcool. Agita-se e usa-se localmente.

Tintura – É o álcool ou éter impregnado do princípio ativo de uma ou mais substâncias vegetais, animais ou minerais. A preparação de tinturas a partir de substâncias vegetais é um processo minucioso e delicado, que utiliza plantas secas e éter ou álcool de pureza absoluta. Para 20% de substância vegetal emprega-se álcool de 60 graus (quando a substância libera seus princípios com facilidade), álcool de 80 graus (no caso de substâncias ricas em resíduos e azeites voláteis) e álcool de 10 graus (para substâncias que contêm corpos gordurosos). Depois de filtradas, as tinturas conservam seu poder por muitos anos e são usadas puras ou diluídas, interna ou externamente.

Tisanas – Nome genérico dado às soluções, macerações, infusões e decocções preparadas com ervas. Quando a elas se agregam xaropes, tinturas, extratos ou outros ingredientes as tisanas são chamadas poções.

Torrefação – Esta operação tem dois objetivos: retirar a água de certas substâncias e submetê-las a um princípio de decomposição que modifica algumas de suas propriedades. Através da torrefação, o café se torna aromático, o ruibarbo perde suas qualidades laxantes e o ópio seu princípio viscoso.

Vinhos medicinais – São preparados que resultam da ação dissolvente do vinho sobre as substâncias vegetais. O vinho utilizado deve ser puro, com alto teor alcoólico; tinto para dissolver princípios tônicos ou adstringentes e branco quando se deseja obter um produto diurético. O método é simples: molha-se em álcool as ervas picadas e macera-se em vinho durante alguns dias. Depois de filtrado, o produto deve ser conservado em local arejado.

Observações:
Para o preparo dos chás, recomenda-se o uso de recipientes esmaltados, inoxidáveis, de vidro, de barro ou de louça, NUNCA de metal, alumínio, ferro ou estanho (podem alterar as propriedades terapêuticas do preparado).

Como medida, pode-se considerar: 1 colher (sopa) de folhas verdes equivale, aproximadamente, a 5 gramas; e, de folhas secas, a 2 gramas.

Para gargarejos, inalações, compressas e outros usos externos, a concentração dos chás deve ser mais forte do que para uso interno.
Se quiser adoçar o chá, utilize apenas mel.

Como a validade dos preparados naturais é curta, devem ser feitos apenas em pequenas quantidades, para consumo rápido, no caso dos chás, no mesmo dia.

Para as crianças, a dosagem a ser utilizada deve ser reduzida pela metade das que foram indicadas, que são para adultos.

Para obter um melhor resultado, aconselha-se tomar os chás longe das refeições (1 hora antes ou 2 horas depois), com exceção daqueles que são estimulantes do apetite.

Para afecções catarrais, pulmonares, de garganta, resfriados e afecções febris, deve-se tomar o chá quente.

As plantas medicinais, corretamente empregadas, representam extraordinário auxílio à recuperação. Utilizamos dezenas de plantas consagradas pelo uso.

Uma vez ou outra escuta-se falar de plantas “milagrosas”, que as pessoas dizem servir para muitas doenças, inclusive aquelas mais sérias como o câncer, sífilis, diabetes e até mesmo AIDS. Recentemente é a babosa que anda ocupando a boca das pessoas. Os cientistas já observaram que ela pode ser útil no tratamento de alguns problemas. Evite realizar tratamento com uma mesma planta durante muito tempo.

Quando corretamente utilizadas, as plantas medicinais são poderosos auxiliares no tratamento e prevenção de muitos problemas de saúde.

Atenção: Jamais use um tratamento natural sem conhecimento ou a supervisão de um profissional de saúde habilitado.

Remédios para eliminar as “aranhas” das pernas (caseiros)

Você sabe o que são aranhas vasculares?

É o nome popular que se dá àqueles vasos fininhos que ficam na superfície da pele.

Cientificamente, são conhecidas como “telangiectasias”.

Elas aparecem, normalmente, no tórax, pescoço e nos membros – consequência da dilatação dos vasos sanguíneos.

O problema é, na maioria das vezes, hereditário, mas também pode estar associado ao sedentarismo, à longa permanência em pé e à má circulação.

Muita gente que sofre desse mal tem vergonha de expor a pele.

O tratamento oferecido em clínicas costuma ser caro e muitas vezes exige até cirurgia.

Que tal tentar um remédio natural e caseiro?

Que remédio?

Na verdade, são dois.

O primeiro deles contém gengibre e cravo-da-índia, muito valorizados pelos benefícios que proporcionam.

A junção deles nesta receita resulta num excelente tratamento caseiro para quem tem problemas de circulação e de varizes.

A ação deste remédio é simples, básica, porém muito eficiente: ele aquece o corpo, o que resulta num poderoso estímulo à circulação do sangue.

Além do gengibre e do cravo-da-índia, três outros ingredientes fazem parte desta receita e eles também contribuem para a melhora da circulação e o combate às varizes: hibisco, louro e raspas de casca de laranja.

É essa riquíssima combinação de ingredientes estimuladores da circulação que torna este remédio muito eficiente.

Eis a receita:

INGREDIENTES:

2 colheres (sopa) de hibisco

1 colher (chá) de cravos-da-índia

3 folhas de louro

1 colher (sopa) de raspas de casca de laranja

3 gotas de óleo essencial de gengibre ou 2 colheres (sopa) de raspas dessa raiz

MODO DE PREPARO:

Coloque todos os ingredientes dentro de um tecido chamado musselina.

Amarre com um barbante, formando uma trouxinha, e ponha dentro de uma bacia com água fervente.

Aguarde 10 minutos para que a água absorva as propriedades dos ingredientes.

Veja se a água atingiu a temperatura ideal.

E mergulhe os pés pelo tempo desejado.

Faça isso, de preferência, à noite, 1 hora antes ou 1 depois do jantar.

E o outro remédio?
É o extraordinário vinagre de maçã!

E essa exclamação não é exagerada não, tá?

O vinagre de maçã é sim muito poderoso.

Ele tem vários uso medicinais, muitos deles já ensinados aqui no Tudo pela saúde.

E agora você vai descobrir que ele é um grande aliado no combate às aranhas vasculares.

Lembrando que o vinagre de maçã pode ser encontrado em qualquer supermercado, mas aconselhamos o uso do vinagre orgânico para este e outros tratamentos.

Como é um grande estimulante circulatório, é excelente para relaxar os músculos, melhorar a circulação e tonificar.

Este tratamento é também ótimo para varizes e microvarizes.

Mas o resultado não é imediato, viu?

Você vai precisar de perseverança, pois os resultados demoram um pouco a aparecer.

INGREDIENTES:

1 garrafa de vinagre de maçã

Algodão

MODO DE APLICAÇÃO:

Você pode molhar o algodão com o vinagre e passar na área afetada, deixando agir por 30 minutos.

Repita o procedimento três vezes por dia, diariamente.

Outra sugestão é passar o vinagre diretamente na pele e fazer massagens circulares de baixo para cima.

Faça durante 10 minutos e depois enxágue com muita água.

Realize o procedimento diariamente.

Observações:

1- Procure dormir com as pernas um pouco levantadas, sobre travesseiros.

2- Tenha uma dieta rica em antioxidantes.

3- Pratique exercícios que estimulem a circulação sanguínea.

4- Diminua a quantidade de sal em suas refeições.

5- Busque manter um peso adequado a seu corpo.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Porque Consumir Canela?

Todo mundo sabe que a canela é uma planta com várias propriedades medicinais.

Agora é que todos não sabem é que a canela tem seus efeitos potencializados quando se junta ao mel.

Porque Consumir Canela

E o que muito pouca gente conhece são os usos medicinais da maravilhosa combinação da canela com o mel.

E é isso que você vai saber agora.

O mel e a canela são usados como conservantes naturais desde a antiguidade.

Eles impedem o proliferação de fungos e bactérias – graças ao óleo essencial de canela e a enzima que gera peróxido de hidrogênio encontrada no mel.

Quer saber mais?

Veja o que esta combinação é capaz de fazer:

  1. Dor no estômago: a mistura de mel e canela trata qualquer problema de úlcera.
  2. Imunidade: basta consumir regularmente a mistura que você estará combatendo e se protegendo contra vírus e bactérias nocivas.
  3. Doença cardíaca: misture canela e mel numa para formar uma deliciosa pasta.

Passe a pasta sobre uma fatia de pão de trigo integral e pronto! – esse será seu café da manhã.

Com esta receita, você evita alimentos gordurosos e açucarados, protegendo-se de colesterol alto e ataque cardíaco.

  1. Artrite: misture duas colheres (sopa) de mel com uma colher de canela em pó num copo de água morna.

Beba essa mistura regularmente pela manhã e à noite- isso vai tratar a artrite crônica.
Beba a mistura e garanta a redução do colesterol em pouco tempo.

  1. Infecção da vesícula biliar: misture duas colheres (sopa) de canela em pó com uma colher (chá) de mel.

Consuma regularmente para manter o bom funcionamento da vesícula biliar.

  1. Gripe: se tiver sentindo dificuldade para respirar ou com muita tosse, misture uma colher (sopa) de mel com 1/4 colher (sopa) de canela em pó e consuma nos próximo 3 dias.
  2. Infertilidade: na Grécia, as pessoas tinham o costume de consumir duas colheres (sopa) de mel antes de ir para cama – a fim de tratar a infertilidade masculina.

Povos asiáticos – Japão e China – também descobriram que esfregar um pouco de canela com meia colher (chá) de mel na gengiva, durante o dia, faz com que o corpo absorve as propriedades terapêuticas e garanta a fertilidade feminina.

  1. Gripe: mel e canela contém ingredientes que destroem os vírus, impedindo a gripe.
  2. Infecções da pele: aplique a mistura da canela com mel na área a ser tratada e deixe agindo por 30 minutos – depois lave com água morna.
  3. Indigestão: misture canela em pó com duas colheres (sopa) de mel e consuma antes das refeições principais, evitando o desconforto.
  4. Fadiga: misture meia colher (sopa) de mel com meia colher (chá) de canela num copo de água.

Beba a mistura no período da tarde ou quando se sentir cansado.

  1. Picada de inseto: misture uma colher (chá) de canela em pó numa colher (sopa) de mel em duas colheres (sopa) de água e aplique sobre a área afetada.

Isso vai aliviar a dor e a coceira em poucos minutos.

  1. Perda de peso: misture duas colheres (sopa) de canela com uma (cha) de mel num copo de água morna e beba pela manhã, meia hora antes do café da manhã.

A canela turbina o metabolismo.

  1. Mau hálito: lave a boca com uma colher (chá) de mel e canela pela manhã e deixe seu hálito refrescante.
  2. Acne: prepare uma pasta misturando mel e canela em pó, depois aplique sobre as espinhas e acnes.

Faça isso na hora de dormir e lave no outro dia pela manhã.

  1. Dor de dente: faça sua própria pasta misturando uma colher (chá) de canela em pó com 5 colheres (chá) de mel.

Passe a mistura três vezes ao dia, nos dentes doloridos.

  1. Perda de cabelo: a mistura de uma colher (sopa) de mel, uma colher (sopa) de azeite e uma colher (chá) de canela em pó é perfeita para passar no couro cabeludo e evitar a queda dos fios.

Deixe agir por 15 minutos e lave o cabelo.

  1. Longevidade: esta combinação previne vários problemas de saúde.

Misture 4 colheres (sopa) de mel com uma colheres (sopa) de canela em 3 xícaras de água.

Leve a mistura para o fogo e deixe ferver.

  1. Câncer: consuma uma colher (sopa) de mel com uma colher (sopa) de canela em pó todas as amanhã.

Esta mistura ajuda na prevenção e no combate ao câncer de estômago.

Observação: Algumas pessoas hipertensas dizem que a canela aumenta a pressão.

Então, por precaução, se este for o seu caso, evite o consumo da planta.

Se você é diabetico, dispense o mel e use apenas a canela.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Bebida termogênica virou queridinha das famosas por turbinar a queima de gordura e dar energia!

Café com óleo de coco:


Fernanda Souza, Yasmin Brunet, Martha Graeff… A lista de beldades que consomem a bebida da vez é grande. Segundo a nutricionista Bruna Vilela, a mistura é perfeita para ser consumida no pré-treino e favorece o emagrecimento.
Em tempos de musas fitness, café com óleo de coco virou estrela nas redes sociais. A bebida de propriedades termogênicas é consumida com frequência por famosas como Fernanda Souza, Yasmin Brunet e a blogueira Martha Graeff. Todas são adeptas de rotinas saudáveis e adotaram a bebida da vez como pré-treino e lanchinho. Bruna Vilela, consultora nutricional do casal Fê Souza e Thiaguinho, é favorável ao consumo e garante: “Essa combinação possui vários benefícios.”

Café com óleo de coco

A fórmula turbinada foi criada por Dave Asprey, um investidor em tecnologia do Vale do Silício, nos Estados Unidos, depois de 15 anos de pesquisa. Batizada de “bulletproof coffee”, a bebida testada por ele leva também um pouquinho de manteiga. A ideia era descobrir um produto simples que pudesse fazer uma pessoa se tornar boa em tudo. O tal blend se mostrou eficaz na melhoria de níveis de atenção e energia, assim como na redução de peso. E o empresário garante ter conseguido elevar seu QI em 20 pontos após o consumo.
De acordo com Dave, a ingestão regular funciona quase como uma adaptação. A ideia é estimular o organismo a usar óleo e proteína como fontes de saciedade. E o poder de emagrecimento estaria concentrado na cetose, processo em que o corpo usa gordura em vez de glicose para produzir energia. A mistura logo ganhou o mundo e desembarcou recentemente no Brasil de maneira adaptada e como poderoso aliado de quem pratica atividades físicas com frequência.


PROPRIEDADES DO ÓLEO DE COCO

Segundo Bruna, o óleo de coco extra virgem “favorece o emagrecimento pela presença dos triglicerídeos de cadeia média, estimula atividades antioxidantes e anti-inflamatórias, além de melhorar o perfil lipídico [índices de colesterol]”. Além disso, ele é responsável por aumentar as enzimas de saciedade que inibem a fome.

PROPRIEDADES DO CAFÉ

Rico em cafeína, substância estimuladora do sistema nervoso central, o café melhora o estado de alerta e também o desempenho em exercícios de força e aeróbicos. “Ele pode, inclusive, reduzir a percepção da dor durante a atividade física”, explica a especialista. “Como o efeito da redução é leve, não acarreta risco quando o exercício é executado corretamente.”

A COMBINAÇÃO…

Juntos, os dois ingredientes somam propriedades termogênicas e, por isso, funcionam como excelente pré-treino. “Mas a bebida também pode ser consumida como lanche, para saciar a fome e melhorar o estado de alerta durante o trabalho ou estudo”, ensina Bruna.

O preparo é simples: 200ml de café forte e quente misturado a uma ou duas colheres (de sopa) de óleo de coco extra virgem. Para que os ingredientes fiquem bem diluídos, vale lançar mão de um mixer ou liquidificador. “O sabor é leve e agradável”, conta a nutricionista. “A textura fica um pouco oleosa, mas nada que incomode.”

Pensou em adoçar? Desista! “Não é recomendado usar nenhum tipo de açúcar ou adoçante. O sabor doce é reconhecido como glicose pelas papilas gustativas, que como resposta liberam insulina.” Porém, quando nenhum carboidrato é consumido na sequência, o resultado é aquela vontade incontrolável de comer doce no meio da tarde.

O ideal é que a bebida seja consumida apenas uma vez ao dia, se possível pela manhã. “O óleo de coco tem a função de melhorar a atividade intestinal e seu excesso pode soltar o intestino”, explica Bruna. “Além disso, esse café turbinado pode alterar o sono se for tomado à noite.” A especialista acrescenta ainda que pessoas com intolerância à cafeína devem evitar o consumo.

Confira os 5 alimentos que ajudam a desinchar a barriga

O chá verde é um perfeito aliado à perda de peso, já que acelera o metabolismo e desintoxica, ajudando a desinchar a barriga.

Bem-estar e alimentação saudável são inseparáveis. Dietas desequilibradas refletem diretamente no funcionamento do organismo e geram consequências negativas imediatas. Aprenda agora o que ingerir para ajudar o seu corpo a trabalhar a seu favor e conseguir atingir seu objetivo de desinchar a barriga.

alimentos para desinchar a barriga

Quem nunca sentiu a barriga desconfortável, com sensação de inchaço, especialmente após uma refeição? Na maioria das vezes, a causa do problema está no que ingerimos ao longo do dia.

Segundo a nutricionista, Cristiane Spricigo, consultora da farmácia online Netfarma, uma dieta saudável, rica em fibras e alimentos que auxiliam na digestão é o pontapé inicial para que o corpo funcione bem. Confira algumas dicas da nutricionista para desinchar a barriga:

  • 1 – Insira frutas na sua alimentação

Uma das frutas mais benéficas ao bom funcionamento do organismo é o mamão. Ele possui as enzimas papaína e quimopapaína, que quebram as proteínas e evitam a constipação. Para eliminar o excesso de sódio do corpo, alimentos ricos em potássio como a banana são uma boa pedida. Outras frutas aliadas do sistema digestivo são o abacaxi, a melancia e o melão. Com função diurética, eles combatem a prisão de ventre, o inchaço, os gases, entre outros problemas. “As frutas também ajudam a hidratar o corpo e eliminar as toxinas. Mas, além de consumi-las, é necessário ingerir bastante água, pelo menos 8 copos por dia. Na primeira semana, já é possível perceber a melhora”, afirma a nutricionista.

  • 2 – Vegetais ou Legumes 

Não basta ser colorido, o prato também deve conter os vegetais que auxiliam no bom funcionamento do estômago e do intestino. Abóbora, chuchu, berinjela, abobrinha, cenoura, pepino, tomate, couve flor e brócolis são excelentes opções. Folhas como alface, espinafre, repolho e couve também.

  • 3 – Grãos e sementes também são importantes

Grãos integrais e sementes, além de nutritivos, são ricos em antioxidantes e fibras que ajudam o intestino a funcionar melhor. Quinoa, aveia, farelo de trigo, linhaça, girassol, chia e gergelim fazem a diferença na dieta de quem sofre com o inchaço abdominal e são famosos, inclusive, por ajudarem no emagrecimento. “Só há benefícios se incluídos corretamente na alimentação diária. Eles auxiliam não apenas no sistema digestivo e a afinar a silhueta, como têm função desintoxicante, combatem o colesterol ruim e melhoram a glicemia, além de fortalecerem os ossos, entre tantas outras vantagens”, completa a especialista.

  • 4 – Apostem em chás e sucos  

Chás como de hortelã e gengibre têm função anti-inflamatória e facilitam a digestão. Preparar a bebida, associando gengibre, cravo e canela também tem efeitos termogênicos, acelerando o metabolismo e aumentando a queima de calorias. O mesmo é aplicado para o chá de hibisco. “Os chás são ótimas opções para tomar tanto no café da manhã, como após o almoço e antes de dormir. O melhor é que são produtos fáceis de encontrar em mercados e farmácias”, diz a consultora. Sucos detox também são alternativas eficientes. Misturar abacaxi, cenoura, gengibre, folhas verdes, hortelã e gelo, por exemplo, resultam numa bebida saudável e deliciosa.

  • 5 – Atenção às proteínas e carboidratos

“Vale lembrar que as carnes magras são mais adequadas para evitar o inchaço no abdômen, principalmente os peixes, que tem uma digestibilidade melhor. Também é aconselhável reduzir carboidratos como batata e mandioca, assim como os molhos. Lance mão de opções como azeite e limão para temperar as saladas. Eles são igualmente saborosos e mais saudáveis”, alerta a Dra. Cristiane Spricigo.

Com a alimentação correta, as chances de se livrar do inchaço de vez são grandes. No entanto, é importante ressaltar que praticar exercícios e dormir bem são essenciais para ter a qualidade de vida desejada. “O bem-estar é resultado de um conjunto harmonioso de fatores. A dieta adequada faz diferença, mas vale ter em mente esse conjunto” completa a nutricionista.

Chá verde para derreter gordura abdominal

acabar com a celulite e ainda muitos outros benefícios: Emagreça rápido com saúde – FUNCIONA DE VERDADE!

O seu nome científico é Camellia sinensis e pode ser comprada em lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação e alguns supermercados. Com o sabor forte, os benefícios do chá-verde são grandiosos e o seu consumo tem crescido na última década em todo o mundo. Pesquisadores constataram que o chá-verde mostrou ser muito benéfico para a saúde, principalmente porque ele atua como um antioxidante e é uma substância antienvelhecimento. O chá-verde é uma excelente forma de começa o dia bem, além de ajudar o corpo a despertar, ele possui uma pequena quantidade de cafeína e propriedades estimulantes, dá imunidade ao organismo contra radicais livres, além de condicionar o corpo a queimar mais gorduras durante o dia e ainda proporciona uma sensação maior de saciedade, fazendo com que o organismo reduza seu apetite durante o almoço.

Chá verde

O chá-verde pode ser tomado pela manhã, antes do almoço e antes do jantar, quente, na temperatura ambiente ou gelado. Tomando 3 vezes por dia você completará a dieta diária do chá-verde. Tal rotina, ao longo do tempo, trará inúmeros benefícios para a saúde, incluindo a redução dos riscos de doenças cardiovasculares, perda de peso, melhora do metabolismo, resistência imunológica, aumento da longevidade, dentre outros inúmeros benefícios para a saúde. É importante ressaltar para as pessoas que tenham muita sensibilidade à cafeína devem evitar tomar chá-verde muito tarde, sobretudo antes de dormir. Lembrando também que o consumo diário de água deve ser respeitado, a fim de se evitar qualquer tipo de desidratação.

Vamos ver então quais são os 15 benefícios do chá-verde para saúde.

Coração Chá Verde

Os Benefícios do Chá verde:

  1. Como um Antioxidante: O chá-verde é famoso por sua propriedade antioxidante. O chá-verde consiste em catequina, epicatequina, epicatequina galato (ECG), epigalocatequina galato (EGCG), Proantocianidinas. Coletivamente conhecidos como Flavonoides, que são antioxidantes. Os antioxidantes restringem o crescimento das células do câncer e mantêm as células saudáveis protegidas. Eles lutam contra micro-organismos no corpo e constrói o sistema imunológico mais forte.
  2. Para o Coração: Como mencionado anteriormente o chá-verde é uma fonte rica em antioxidantes. Os antioxidantes ajudam na oxidação de LDL (colesterol ruim) e reduz o sangue a lipoproteína de baixa densidade. O chá-verde pode reduzir o risco de ataque cardíaco e reduzir as doenças cardiovasculares e degenerativas. O chá-verde é uma fonte de flavonoides que relaxa os vasos sanguíneos, a fim de melhorar o fluxo de sangue e impede a coagulação do sangue.
  3. Como um antienvelhecimento: O chá-verde atua como um escudo e impede que os raios Ultra Violeta danifique a pele. O chá tem uma capacidade de absorção dos radicais de oxigênio elevado que, basicamente, combate os radicais livres, proporcionando proteção contra os raios nocivos do sol. A presença do antioxidante polifenóis ajuda a fornecer brilho e combatem os radicais livres. Os antioxidantes prolonga assim o envelhecimento e marcas de rugas de uma pessoa.
  4. Contra o câncer: O chá-verde nos protege do câncer. Presença de antioxidantes ajuda o corpo a proteger as células saudáveis de ficar danificado e mata as células cancerosas. mostrou-se que proteger contra vários tipos de câncer como os de mama, do cólon, colorretal, da pele, do pulmão, esófago, estômago, intestino delgado, pâncreas, fígado, ovário, próstata e cancro oral.
  5. Previne a doença de Alzheimer e de Parkinson: Foi cientificamente comprovado que o chá-verde ajuda a reduzir o aparecimento de doença como Alzheimer. Ele auxilia na melhora da memória de uma pessoa. Basicamente, o chá-verde atrasa o processo de redução de acetilcolina, que é um fator importante para a ocorrência da doença de Alzheimer. O chá-verde também reduz o dano celular no cérebro, reduzindo assim outras doenças cerebrais, como o Parkinson.
  6. Para diabetes: Pessoas que sofrem de diabetes podem realmente ser beneficiadas por consumir chá-verde. Ela regula o nível de glicose no corpo de uma pessoa e reduz a taxa de aumento do nível de açúcar. Isso resulta em melhor funcionamento do pâncreas, uma vez que estimula a produção de insulina.
  1. Perda de Peso: O chá-verde ajuda a aumentar a taxa de metabolismo do corpo reduzindo assim o peso. O chá-verde é uma fonte de polifenóis, que se dissolve de triglicéridos no corpo. É muito importante que as pessoas com sobrepeso ou obesas bebam pelo menos um copo diário de chá-verde para reduzir o teor de gordura no corpo.
  2. Pressão arterial: O consumo regular de chá-verde reduz a pressão arterial.
  3. Ossos: chá-verde aumenta a densidade óssea e força.
  4. Trato respiratório e emocional: O chá-verde é conhecido por reduzir a asma, estresse e herpes.
  5. Ele pode ser útil contra o frio e gripe, intoxicação alimentar e várias doenças hepáticas.
  6. Dentes: Os benefícios do chá-verde para saúde também inclui proteção contra a cárie dentária. Ele reduz a cavidade e ainda protege contra várias infecções de garganta.
  7. Diminuição em potencial da Celulite.
  8. É diurético e combate a retenção de líquidos.
  9. Combate o colesterol: Uma pequena fração do colesterol que temos é produzido no corpo, mas a maior parte vem da alimentação. As EGCG presentes no chá-verde reduzem a absorção desse nutriente no nosso intestino, reduzindo assim sua quantidade em nosso corpo. Porém os estudos mostram mais sua ação na redução do LDL, considerado o colesterol ruim, e não no aumento do HDL, o colesterol bom. Além disso, outros polifenóis chamados de taninos também presentes no chá-verde estão relacionados a essa redução do LDL, o colesterol ruim, de acordo com alguns estudos.
  10. O chá-verde também é bom para desintoxicar o fígado.
  11. Melhora o humor: Existe um aminoácido no Chá Verde chamado L-teanina que é exclusivo dessa planta e deve consistir em cerca de 2% do seu peso. Quando ele é liberado em nosso corpo, vai para o cérebro e lá aumenta a produção de dopamina e serotonina, neurotransmissores que estão ligados à sensação de bem-estar. Ele também aumenta a produção de ondas alfa no cérebro, o que eleva a sensação de relaxamento, de acordo com um estudo feito no Japão em 2005. Como se tudo isso não bastasse, os flavonoides modulam a noradrenalina, hormônio que também está relacionado com a ansiedade. Por fim, a vitamina C, presente no chá mesmo que em baixas quantidades, atua no hormônio cortisol, que sempre é produzido no corpo em situações de estresse e está envolvida na produção da serotonina. Vale a pena experimentar consumir o chá, portanto, com sucos de frutas cítricas.
  12. Otimiza a digestão: Mas a ação do chá-verde é diferente dos outros chás digestivos, que trabalham aumentando os sucos gástricos. Sua atuação nesse processo ocorre, possivelmente, devido a alguns compostos bioativos que ele traz em sua composição, e que estimulam a microbiota do intestino, também conhecida como flora intestinal. Essas bactérias são responsáveis por ajudar no trabalho de digestão, principalmente de algumas vitaminas. Como um benefício extra, estimular as bactérias do organismo também melhora a imunidade.

Dicas para preparar econservar oseuchá-verde

Para conservar as propriedades e usufruir de todos os benefícios do chá-verde, veja algumas dicas abaixo:

– O ponto ótimo da água para preparar o chá, quente ou gelado, é quando a água começa a ferver;

– Quando for tomar um chá quente, deixe o saquinho de chá dentro da água por um período de 3 a 5 minutos;

– Quando for tomar o chá gelado, deixe o saquinho dentro da água por um período de pelo menos 5 minutos;

– Para conservar todas as suas propriedades, guarde o chá em um lugar fechado, escuro, fresco, seco e arejado.

Informação nutricional do chá-verde

Componentes Quantidade por 240 ml (1 xícara)

Energia 0 calorias

Água 239,28 g

Potássio 24 mg

Cafeína 25 mg

Água de coco é saúde

Questões intrigantes que pintam quando o assunto é essa bebida.

Água de coco

ELA ENGORDA?
“Se for consumida dentro de uma alimentação balanceada, não vai engordar”, tranqüiliza a nutricionista Ana Lúcia Chediac, do hospital Sírio Libanês. Na comparação com refrescos e refrigerantes, sai ganhando. Em cada 100 ml, tem 22 calorias. Um suco de laranja natural possui 58.

TEM CONTRAINDICAÇÕES Água de coco?


Deve ser usada com moderação por hipertensos porque tem muito sódio. Diabéticos também precisam ficar atentos devido à quantidade de carboidratos. A nutricionista Maria da Conceição Lemos, da Universidade Federal de Pernambuco, que fez uma pesquisa sobre diabete e frutos, sugere o consumo de, no máximo, um copo por dia – e sempre acompanhado de refeição. “Se a água é tomada sozinha, o impacto dos açúcares no organismo é maior”, ela explica.

O SEGREDO DO DRINQUE TROPICAL com Água de coco

Mesmo contendo mais de 90% de água pura, o líquido é rico em nutrientes (Média para 100 ml*)

-Proteínas 0,3 g
-Lipídios 0,2 g
-Cálcio 20 mg
-Fósforo 13 mg
-Carboidratos 4,7 mg
-Sódio 25 mg
-Potássio 147 mg
-Ferro 0,3 mg
-Vitamina C 2 mg
-Calorias 22 kcal

* Esses valores podem variar ligeiramente de acordo com a época de maturação do fruto.