O que comer para ter uma boa noite de sono?

O que comer antes de dormir?

Uma boa noite de sono é fundamental para quem almeja uma boa qualidade de vida. Para isso, o ideal é incluir no jantar alguma fonte de triptofano, como kiwi em flocos, amaranto, sementes de girassol e grão-de-bico. O triptofano é convertido em serotonina, que posteriormente se transforma no hormônio do sono, a melatonina.

Além disso, a ceia (lanche consumido antes de dormir) pode receber algumas preparações ricas em vitaminas e minerais que facilitem o processo de conversão citado anteriormente. Um exemplo é a mistura de banana amassada com aveia e canela em pó. Outra opção consiste em abacate (extremamente concentrado em beta-sitosterol, um indutor do sono) com quinoa em flocos e uma pitada de canela em pó. Como dica final, é interessante que essas refeições sejam acompanhadas por um chá de ervas suscitadora do sono, como passiflora, omulu ou melissa.

4 produtos para acelerar o crescimento de seus cabelos

1) Shampoo bomba

Se você não tem uma faixa de mega hair para de uma hora para outra ficar com o cabelo mais comprido, você precisa conhecer o chamado “shampoo bomba”, que envolve a mistura de um shampoo sem sal, Bepantol (opcional) e Monovin A. Aliás, essa última substância promete fazer com que o cabelo cresça muito mais rapidamente.

O crescimento normal do cabelo é em torno de 1 cm a 2 cm por mês. Com o uso do shampoo bomba, a promessa é que o crescimento atinja entre 4 cm a 7 cm por mês.

Problema do shampoo bomba

O monovin A é um produto comercializado em casas veterinárias, ou seja, ele é de uso animal e não é indicado para humanos. Por mais que existam muitos depoimentos favoráveis ao uso do monovin A, é interessante usar apenas produtos que foram testados dermatologicamente e liberados pela ANVISA.

Texto relacionado: conheça o único tratamento que resolve a calvície, o transplante capilar.

Monovin A desenvolvido para humanos

Ainda há controvérsias e não existem estudos que comprovem a eficácia do shampoo bomba. No entanto, há uma empresa que conseguiu desenvolver uma versão do monovin A destinada a humanos. Assim, surgiu o Monovit A, já registrado e liberado pela ANVISA.

2) Monovit A

Tanto o Monovin A quanto o Monovit A são compostos altamente concentrados em vitamina A, que entre outros benefícios pode acelerar o crescimento dos cabelos. Ao optar pelo uso Monovit A, as pessoas se previnem de possíveis efeitos colaterais causados pelo Monovin A, como queda de cabelo e alergia.

O Monovit A pode ser encontrado sob as formas de shampoo e condicionador, além de um pequeno frasco concentrado em vitamina A. Nesta última forma ele pode ser aplicado, por exemplo, em máscaras capilares. Atualmente, o Monovit A é vendido apenas pela internet.

3) Rapunzel

Outra linha de produtos que pode ser usada até mesmo em conjunto com o Monovit A se chama Rapunzel e é constituída por três itens: shampoo, condicionador e tônico capilar. A linha Rapunzel contém alguns princípios ativos diferentes do Monovit A, mas que também aceleram o crescimento do cabelo.

4) Hair Skin

Algumas mulheres estão começando a substituir o Pantogar pelo Hair Skin. Este último trata-se de uma vitamina de uso diário, que, assim como o Pantogar, promete acelerar o crescimento dos cabelos e conferir aumento de resistência das unhas.

Eflúvio Telógeno

Eflúvio Telógeno: O Que É?

O que é eflúvio telógeno

Várias doenças do couro cabeludo podem levar à queda de cabelo. O eflúvio telógeno, por exemplo, acelera o ciclo biológico do cabelo. Assim, três a quatro meses após um estresse (físico ou emocional) ou uso de determinados medicamentos – nesses casos pode-se tentar trocar a medicação –, cerca de 40 a 60% (ou mais) dos fios adentram a fase de queda. Entretanto, na maioria das vezes isso é reversível.

Eflúvio Telógeno

Muitas pessoas estressadas tomam remédios em excesso. Antidepressivos podem desencadear o eflúvio telógeno. É difícil determinar até que ponto a perda capilar se deve ao estresse, à depressão, ou à medicamentos ingeridos.

Quimioterapia e queda de cabelo

A quimioterapia interrompe a reprodução das células cancerosas, porém, a raiz do cabelo é composta por células que se reproduzem constantemente visando produzir novos fios. Assim, a substância quimioterápica suspende a função da raiz capilar, e consequentemente o cabelo cai.

O caráter reversivo dessa queda é variável. Embora seja algo raro, existem quimioterapias tão intensas que acabam matando as raízes capilares, tornando a perda capilar irreversível. Contudo, no geral ocorre a reposição total dos fios.

Tratamento para calvície

Todas as doenças hereditárias, como diabetes, hipertensão, e colesterol alto, possuem tratamentos ad eternum, ou seja, para sempre.

Se tratando de pacientes jovens, de 14 ou 15 anos, não se deve iniciar o tratamento com Finasterida, e sim com medicações mais amenas. Já considerando um adulto jovem de 25 ou 30 anos, após identificar o grau de calvície dele, ele poderá receber medicações mais potentes. Posteriormente, a manutenção do tratamento pode ser realizada com produtos mais brandos, porém, ela deverá ser mantida pelo resto da vida.

Há mulheres com 25 a 30 anos que chegam com grande rarefação capilar e desesperadas aos consultórios dermatológicos, portando uma pilha de exames (sendo que a esmagadora maioria deles apresenta resultados normais) e de medicamentos.

O médico deve explicar detalhadamente o diagnóstico para que a paciente compreenda-o. Posteriormente, ela deverá seguir uma rotina de tratamento – em grande parte dos casos o problema é não cumpri-la à risca.

Alegria x Tristeza: Conheça a Neuróbica

Alegria x tristeza

Pessoas felizes não ficam tristes tão facilmente. Isso acontece porque elas gostam de vivenciar a sensação proporcionada por aquela emoção (alegria). O mesmo se aplica à pessoas deprimidas, que apresentam uma dificuldade em sair da depressão porque seus cérebros estão mergulhados em neurotransmissores ligados à tristeza. Esse efeito é similar ao de uma droga. Assim, os neurotransmissores também tem papel importante em nossas emoções.

Logo, é fundamental que as pessoas treinem e lutem contra as sensações de ira, raiva e depressão. Isso não deve ser feito no sentido de abafá-las, mas sim de canalizá-las para melhores emoções. Assim, as pessoas conseguirão não só ter uma vida mais tranquila e evoluída, como também aprender novos conhecimentos, serem mais criativas e até mesmo prevenirem doenças neurológicas.

Neuróbica: exercícios para o cérebro

Conquistar o cérebro dos sonhos não é algo fácil e envolve a prática constante da chamada neuróbica, que consiste na realização de exercícios direcionados ao cérebro. Para obter esses benefícios, basta aplicar o treinamento em questão em um ambiente adequado, praticar atividade física e cuidar da alimentação (ingestão de ômega-3, proteínas etc.).

Queda de cabelo tem solução?

Queda de cabelo tem solução?

Principais incômodos físicos nos homens

As pessoas devem cuidar de sua aparência. No caso dos homens, os principais problemas são a formação de olheiras (“bolsas” abaixo dos olhos), desenvolvimento de “papo”, deformação do nariz e queda dos cabelos.

Alopecia universal

A alopecia universal é uma doença autoimune que pode afetar qualquer pelo do corpo, inclusive sobrancelhas. Muitos médicos cogitam que essa alopecia é originada pelo estresse.

Alopecia areata

A alopecia areata também é uma doença autoimune que provoca a queda capilar em partes específicas, gerando grandes falhas nos pelos ou cabelos. Nesse caso, os médicos acreditam que a causa possa estar relacionada ao consumo de trigo (sempre considerado em se tratando de problemas autoimunes) e ao estresse.

Influência da dihidrotestosterona sobre a queda de cabelo

O ser humano é programado para morrer. Existem elementos no DNA que nos preparam para isso. O mesmo se aplica aos cabelos, que também são geneticamente programados para algum dia padecerem. A substância intermediária desse processo é a dihidrotestosterona (DHT).

Como controlar a queda de cabelo

Farmacologicamente, só existem duas formas para controlar a queda de cabelo. A primeira delas consiste no uso da solução tópica de Minoxidil, que deve ser aplicada diretamente sobre o cabelo. Cabe observar que “Minoxidil” é o nome químico da substância, utilizado internacionalmente. Evidentemente, os fabricantes podem usar outras denominações.

A segunda forma é por meio do uso da Finasterida. Ambas as substâncias agem sobre a dihidrotestosterona (DHT), hormônio que afina os pelos e atrofia os folículos.

Remédios caseiros para tratar a queda de cabelo

Existe o mito de que o óleo de coco é capaz de criar uma “tampa” sobre o folículo, mas esse efeito não ocorre. Todavia, antes de dormir é recomendável aplicar óleo de coco puro sobre o couro cabeludo.

PRP

O PRP é um sangue rico em plaquetas. Primeiramente, o dermatologista deve extrair o sangue do braço do paciente e o submeter a uma centrifugação. Com isso, o PRP irá se depositar no fundo do tubo de ensaio.

Embora não se saiba exatamente como o PRP age no organismo, ele é injetado diretamente no couro cabeludo. Antes da aplicação, o paciente pode receber um creme no couro cabeludo ou tomar Benzodiazepine para ficar bem relaxado e não sentir dores. Esse procedimento é minimamente invasivo, promove o crescimento capilar e não é caro.

Transplante capilar

A solução definitiva é o transplante capilar, caracterizado pela transferência individual de folículos. Contudo, a cirurgia deve ser feita com cuidado para evitar conceder uma aparência artificial à cabeleira do paciente, além de formação de marcas de cicatrizes na região doadora dos folículos. Nos procedimentos mais modernos são utilizados robôs no processo de retirada dos folículos que serão transplantados.

Cirurgia de retalho

Na chamada cirurgia de retalho, a artéria temporal superficial é completamente percorrida por um ultrassom. Depois, cada retalho da cabeça é erguido e recolocado sobre a parte superior do couro cabeludo que estiver calva. Com isso, é possível retirar uma enorme quantidade de fios que já estão programados para cair. Logo, a aparência do cabelo se tornará mais natural, pois os fios ficarão mais próximos e menos espalhados. Entretanto, trata-se de um procedimento caro, razão pela qual muitas pessoas não realizam esse tratamento.

Como Disfarçar Olheiras

Como Disfarçar Olheiras

Um dia você acorda tão inchada que leva um susto e se acha um monstro! O pior é que você não sabe como se livrar dessas horríveis olheiras. Não se preocupe, vamos dar algumas dicas para combater essas terríveis bolsas embaixo dos seus olhos.

Por que as olheiras aparecem?

As olheiras geralmente aparecem por causa da retenção de água na parte de baixo das pálpebras, pois quando você está dormindo a circulação não é muito boa. Existem várias maneiras de disfarçar as olheiras, mas a área ao redor dos olhos é super delicada e você deve tomar muito cuidado.

Como Combater as olheiras!

Antes de mais nada, é bom saber que uma boa alternativa para não ter olheiras é evitar que apareçam. A primeira coisa é remover bem a maquiagem todas as noites. Use um algodão para passar um pouco de creme demaquilante especial para os olhos, e deixe 20 segundos para penetrar bem na maquiagem. Depois, com outro algodão, retire o creme bem devagar, de preferência no sentido da orelha para o nariz. Se você seguir esses passos, vai remover a maquiagem como uma profissional.

Dicas como Disfarçar Olheiras :

Compre uma batata e esmague até fazer um purê. Depois pegue um pedaço de pão branco, molhe em leite, misture com o purê de batata e aplique sobre as olheiras. Deixe 20 minutos e enxague com água morna. Vai ver como tudo melhora.

Faça um chá de camomila e coloque no freezer. Depois coloque dois algodões molhados nos olhos e deixe por 15 minutos. É uma ótima opção para tirar as olheiras.

Se você tem olheiras com muita frequência, compre uma máscara dessas de se colocar no freezer. O frio desincha os olhos.

Corretivo

Se as olheiras não desaparecem de jeito nenhum, use a técnica que nunca falha: o corretivo. Não importa se é em creme ou bastão, desde que seja da tonalidade mais parecida com a sua pele ou talvez um pouco mais clara. O importante é você ficar natural.

Uma vida saudável

Essas são algumas opções para combater as olheiras, mas nenhuma máscara ou corretivo é tão eficiente quanto levar uma vida saudável e calma. É importante dormir bem e seguir uma boa dieta. As noites mal dormidas e a má alimentação, típicas da vida de estudante, não fazem bem para as olheiras nem para a saúde. Isso não quer dizer que você vai ficar trancada em casa, sem sair. Pode ser que agora você não dê importância, mas daqui a um tempo pode afetar muito seu aspecto físico e sua saúde. Imagine você toda magrinha e com olheiras. Que horror! Não fique traumatizada: descanse, coma bem e se divirta muito.

Por que aparecem a acne e os cravos?

Espinhas. Cravos. Não importa o que aparecer no seu rosto, você quer que desapareça, né?

Qual é o Motivo que aumenta aparição de acne e os cravos?

Os poros da pele contêm glândulas que produzem sebo. O sebo é uma mistura de óleos e ceras que em geral são bons para o cabelo e a pele; não é nada negativo. Mas um hormônio chamado testosterona faz as glândulas sebáceas produzirem mais sebo do que deveriam; isto pode bloquear os poros, como em um engarrafamento.

Por que aparecem a acne e os cravos

Nos poros bloqueados, as bactérias atacam e soltam enzimas que causam inflamação. Se as glândulas sebáceas se infectam com bactérias, pode aparecer uma área vermelha (a espinha) ou espinhas com pus branco ou amarelo. Os cravos aparecem quando os poros são fechados e a superfície escurece.

As espinhas não aparecem somente no rosto. É comum aparecerem nas costas ou no peito. Para se livrar delas você pode consultar um dermatologista, ele vai dar um tratamento adequado para seu problema.

GEOTERAPIA - USO MEDICINAL DA ARGILA

Geoterapia O que é?

É a aplicação de argila, para ombate “febres internas” e inflamações.
Em máscaras faciais, é empregadas na limpeza profunda da pele, agindo como um dos melhores cosméticos naturais.
Inúmeros pesquisadores da ciência médica, fizeram uso dos efeitos geoterápicos encontrados no solo. Entre eles, o próprio “pai da medicina” – Hipócrates – combateu várias doenças degenerativas, entre elas o temível câncer, com recursos geoterápicos.
Recentemente os vietnamitas fizeram uso de suas propriedades medicamentosas contra queimaduras por ocasião da famosa guerra entre vietnã do sul e Norte.

GEOTERAPIA - USO MEDICINAL DA ARGILA

A palavra geoterapia vem do grego onde Geo = terra e Terapia está relacionada a tratamento. Dessa forma a Geoterapia é uma terapia natural que se utiliza das propriedades medicinais da terra, do barro gerando assim um equilíbrio corporal restabelecendo e recuperando a saúde. A geoterapia pode ser usada tanto de modo preventivo como auxiliar no tratamento de doenças.

A Historia da Geoterapia:

Há milhares de anos atrás já se conheciam e se confiavam nos seus efeitos curativos. A força curativa da terra molhada foi descoberta por Priessnitz e os médicos antigos recorriam muitas vezes a esse recurso. Grandes naturistas alemães como Kneipp, Kuhn, Just, Felk muito contribuíram para o renascimento do emprego da argila no contexto dos tratamentos naturais, dos quais o naturista Mahatma Gandhi foi sempre um fiel adepto. Hipócrates, médico grego, considerado o “Pai da Medicina”, freqüentemente utilizava a argila em seus trabalhos e ensinava seus discípulos como usá-la de maneira adequada. Nos últimos tempos, a ciência também se interessou pela argila. Nos hospitais alemães é empregada como remédio. Na Alemanha, Suíça e noutros países é utilizada pela medicina oficial para tratamento de várias doenças.

Principais efeitos da Geoterapia:

Permutação – permite a troca de energia dos minerais com a parte afetada.

Equilíbrio Térmico – regulariza a temperatura do órgão enfermo uniformizando a irrigação sanguínea.

Ação Anti-radioativa – anula os efeitos maléficos promovidos pelas radioatividades solares e eletroféricas, mesmo em decorrência da diminuição da camada de ôzonio. Atua também contra resíduos nucleares provenientes de explosões minerais. Entre os metais produtores de efeitos nucleares encontra-se o estrôncio, de número atômico 38, cujos efeitos colaterais são combatidos pela aplicação de argila

Poder absorvente: Capta elementos não utilizáveis da alimentação, dos produtos de desassimilação e de descamação.

Ação antibacteriana: Expulsa do organismo tudo que é putrefação, decomposição e desorganização.

Tratamento da pele: A argila também é muito indicada no tratamento de acnes, pois absorve a sujeira e a oleosidade da pele, transmitindo os nutrientes que esta necessita, hidratando e limpando os poros.

É antiinflamatório, anti-séptico, absorvente, analgésico, antiinfeccioso, emoliente, antitraumático, tonificador, cicatrizante, desobstruente, antitóxico, regulador orgânico, estimulante, vitalizador, refrescante…

Uso Medicinal Externo

Podemos empregá-la externamente em forma de cataplasmas, enfaixamentos, fricções e banhos de lama, com as seguintes funções farmacodinâmicas: antitumoral, anti-séptica, anti-reumática, antiinfecciosa, cicatrizante, emoliente, vitalizante, refrescante, aperiente, anti-risêmica (contra as rugas) etc.

Em sua preparação adicionam-se água e cebola ralada, ou mel, ou repolho (de acordo com sua aplicação medicamentosa).A espessura do “barro” sobre a parte afetada deve corresponder a 1 ou 2 cm, e o tempo de uso pode variar de 2 a 3 horas.

A higiene pessoal após um tratamento geoterápico deve ser realizada de preferência com água fria, o que complementa sua ação antifebril. Importante: não é aconselhado seu emprego acima do tempo especificado, pois devido ao processo de absorção epitelial (perspiratio insensibilis), as toxinas retiradas podem ser reabsorvidas.

No baixo-ventre e estômago, nestas partes do corpo a argila atua como antitérmica, eliminando as substâncias tóxicas originadas pelos processos fermentativos. É revitalizante do sistema digestivo.

As aplicações

O emprego da terra, a título curativo, é como qualquer outro meio natural, muito simples. A argila pode ser aplicada diretamente no corpo do paciente, na parte onde se apresenta disfunção, através de cataplasma, compressas, emplastros, ligaduras, banhos…, com a argila fria ou quente conforme a enfermidade. Pode ser aplicada no corpo todo ou somente em partes específicas. Pode-se também usá-la internamente através de cápsulas, gargarejos ou misturada à água. Faz-se também irrigações e lavagens. Em alguns casos usa-se como pó higiênico para os pés, ungüentos e na limpeza dos dentes. No tratamento interno, a argila é muito eficaz para o aparelho digestivo, principalmente nos processos de diarréia, intoxicação, estômago…, porque fornece ao organismo os sais minerais que este precisa. No tratamento externo é eficaz para problemas decorrentes da má circulação como dores, artrite, artrose, inchaço e outros.

Em compressas quentes: diluí-la em água mineral morna, até transformá-la numa pasta, depois coloque-a em uma gaze e aplique-a no local desejado, por um período de 20 a 30 minutos.

Em compressas frias: usar água mineral à temperatura normal e aplicar por 2 horas.

Em aplicação direta: principalmente no rosto, aplicar a pasta diretamente sobre a pele em uma camada bem fina.

Pode ser aplicada topicamente no tórax, no abdômen, na região pélvica, na coluna, sobre os rins, nas pernas, nos braços, no rosto, na cabeça e no pescoço.

Pode também ser usada por via oral, neste caso, dilui-se uma colher das de chá de silicato minimizado em um copo de água mineral, aguarde a decantação (30 minutos), despreze a parte sólida e tome o líquido em jejum ou 1 hora antes das refeições. Para melhores esclarecimentos é necessário procurar um proficional da saúde que conheça do assunto.

Aplicação na estética: No rosto, pescoço, mãos e braços, para eliminar manchas senis e espinhas.

Aplicação da argila com ação terapêutica:

na garganta: para casos de inflamação e calos nas cordas vocais

no pescoço: em casos de tumor na parótida e obstrução das veias que alimenta o cérebro

nos ombros: nas burcites e artrose nos seios: nas displasia , mastite e cisto

nos braços: casos de tendinites e tenossinovite nos joelhos: artrose

nas pernas: varizes, trombose venosa, flebite, varicose

nos calcanhares: para esporão de calcareo, gota

Aplicação da argila na região da coluna: Para os casos de artrose na cervical, lombar, hérnia de disco (dissolver), inflamação do nervo ciático

Na região do pulmão: Para as bronquites, nos fibromas pulmonares.

PEITO Age como expectorante nos casos de asma e bronquite. Promove também o descongestionamento do aparelho respiratório nos casos de pneumonia e tuberculose. Em regiões frias esta cataplasma deve ser aplicada quente a fim de não proporcionar crises dispnéicas nos enfermos. RINS Aplica-se contra inflamações nefríticas e nas irritações provenientes dos cálculos renais.

GENITAL ANAL São aplicadas em forma de “T” no combate às hemorróidas e doenças dos aparelhos genitais feminino e masculino.Nestes locais a argila deve ser colocada com gaze de tamanho médio, preferindo-se não colocá-la diretamente sobre a pele, quando o doente for do sexo feminino. COSTAS E COLUNA Contra as inflamações neuromusculares gerais, especialmente nas regiões lombo-dorsais.

CABEÇA Deve-se fazer um invólucro no local com o auxílio de uma faixa. Seu uso é importante nos distúrbios cerebrais e do sistema nervoso. É muito útil contra epilepsia e convulsões em geral. CORAÇÃO Serve como cardiotônica.Os cuidados descritos na cataplasma da região peitoral devem ser mantidos neste tratamento. Se o paciente não se adaptar ao tratamento, pode-se transferir a aplicação à área do baixo-ventre.

APRENDA COMO PREPARAR A ARGILA
INGREDIENTES MODO DE PREPARO
• Chá especifico ou água
• Argila verde ou branca ( pó )
• Recipiente de barro ou vidro
• Colher de pau
• Ataduras
 Coloque em um recipiente 1 xícara de argila e despeje 1/2 xícara de água. Aguarde alguns minutos e misture com a colher de pau até formar uma pasta. Mergulhe, uma atadura no preparado e coloque-a na região desejada e enfaixe com ataduras limpas e deixe agir por duas horas. A aplicação do cataplasma deve ser feita duas horas antes ou duas horas depois das refeições.
HIDROTERAPIA - USO MEDICINAL DA ÁGUA

Hidroterapia O que é?

A hidroterapia entende-se o tratamento pela água sob suas diversas formas e a temperaturas variáveis. A água é um dos meios de cura, um veículo de calor ou frio para o corpo. Aplicada ao corpo, opera nele modificações que atingem, em primeiro lugar, o sistema nervoso, o qual, por sua vez, age sobre o aparelho circulatório, produzindo efeitos sobre a regularização do calor animal.

As reações da aplicação da água são, três: 1- nervosa 2- circulatória 3- térmica.

Beber Água Pura e Fresca

É um bom hábito tomar, pela manhã, em jejum, um copo de água pura e fresca, e outro copo à noite, antes de deitar. Isso auxilia os rins e a bexiga em seu processo eliminatório e na regularização da temperatura do organismo. Durante o dia, o consumo de água ideal é de, no mínimo, 2 litros, numa temperatura agradável. O hábito de beber água regularmente, resulta num aspecto saudável, com pele sedosa e limpa.

Caminhar na Água

Segundo Mons. Sebastião Kneipp no livro O MÉDICO DA ÁGUA, “caminhar na água é um recurso terapêutico muito importante, que atua sobre os rins, preservando-os das doenças”. Além disso, é bom para a bexiga, facilita a respiração, expulsa os gases do estômago e combate a dor de cabeça. O caminhar na água pode ser feito dentro de uma banheira, na qual se coloca um pouco de água fria, até à altura dos tornozelos. O paciente, em pé, faz movimentos com os pés como se caminhasse. Gradualmente, aumenta-se o nível da água, até que atinja a panturrilha (barriga da perna) e finalmente os joelhos. Este exercício deve durar de 5 a 10 minutos. Ao sair da banheira, faz-se movimentos com as pernas para restaurar a temperatura ideal.

Caminhar Sobre Grama Molhada

Esse exercício tem duração de aproximadamente 45 minutos, e deve ser feito pela manhã, antes do nascer do sol. É especialmente indicado para activar a circulação sanguínea e acalmar o sistema nervoso. Após o exercício, enxugar os pés, vestir meias secas e calçados confortáveis, e fazer uma leve caminhada em terreno seco e plano.

Banho de Imersão

Banho feito em banheiras, com água fria ou quente.

FRIO: Deve ser rápido, com duração máxima de 2 minutos. E indicado para baixar febres, acalmar o sistema nervoso e activar a circulação.

QUENTE: Tem duração de 20 minutos e pode ser potencializado através de chás medicinais, tais como cavalinho, palha de aveia, flores de feno, samambaia do mato, alfafa, eucalipto etc. Coloque também um pouco de sal grosso na água. Depois do banho, tome uma rápida ducha de água fria, para fechar os poros. Este banho é especialmente indicado para combater doenças artríticas e reumáticas.

HIDROTERAPIA - USO MEDICINAL DA ÁGUA

Fricções

Consiste em massagens metódicas ao longo do corpo, com uma toalha de banho molhada em água fria. Inicia-se a fricção no umbigo (1), descendo até o pé direito (2); de volta ao umbigo, desça ao pé esquerdo(3). Dobre a toalha e massageie o tórax e a virilha (4); em seguida massageie o pescoço e o braço direito e a lateral da perna direita, até o pé (5). De volta ao pescoço, repita o procedimento no lado esquerdo do corpo (6). Em seguida, repita no lado direito das costas e no lado esquerdo (7); depois passe por entre as pernas e finalmente estenda a toalha no chão e pise sobre ela (8). Na passagem de um membro a outro, a toalha deve ser dobrada, para que esteja sempre resfriada. Este procedimento deve ser feito próximo ao leito, para que o paciente possa deitar-se e agasalhar-se logo após terminá-lo.

As fricções são especialmente indicadas nas seguintes enfermidades:

• Angina do peito
• Beribéri
• Distúrbios da gravidez
• Distúrbios nervosos
• Impotência
• Insônia
• Prostatite

Água fria

A Água fria excita fortemente a sensibilidade periférica, e a excitação experimentada é levada, por via centrípeta, até os centros corticais, produzindo diversos reflexos, dos quais para nós os mais interessantes ocorrem na periferia, nos vasos superficiais e nos órgãos subjacentes na pele.

O sistema nervoso sensitivo, excitado na totalidade das suas ramificações periféricas, é estimulado e melhorado nas suas funções, produzindo, no indivíduo, uma sensação de bem-estar, e a pessoa se sente reanimada, alegre e disposta para o trabalho. O sistema nervoso recobra o seu tom. Por isso se pode dizer que a água fria é um tônico para o sistema nervoso. A aplicação de água fria ao corpo ao mesmo tempo tônica e sedativa, regulariza as funções nervosas e é indicada na luxação.

Quando a água fria toca a pele, os vasos periféricos se contraem, o coração retarda momentaneamente suas batidas e a pressão arterial aumenta. Ao cabo de alguns segundos graças ao relaxamento dos vasos periféricos, a pele se torna mais corada. Baixa a pressão arterial e o coração acelera suas batidas.

Na aplicação de água fria verificam-se, pois, duas fases : em primeiro lugar a vasoconstrição e hipertensão:

em segundo lugar a vasodilatação e hipotensão. Logo em seguida, a -circulação volta, nos indivíduos normal;. ao seu estado habitual.

A vasoconstrição produzida pelo contato da água fria, é, pois, um reflexo de defesa destinado a diminuir a perda de calor. Nesse ato é modificada a distribuição da massa sangüínea Que conduz o calor. O sangue é afastado da periferia e impelido para dentro. Em resultado, há aumento de calor interno, e, em seguida, nas aplicações rápidas de água fria, vem a irradiação do calor do centro para a periferia, em virtude da vasodilatação, graças à qual o sangue é enviado, em abundância, do centro para a periferia.

Nas aplicações mais prolongadas de água fria, a fase da vasoconstrição é mais demorada e a fase da vasodilatação é menos rápida e menos ativa, maior é o esfriamento do corpo e mais lento o seu aquecimento.

Nas aplicações demasiadamente prolongadas, o aquecimento pode faltar.

Água quente

A água quente produz, como a água fria, a excitação da sensibilidade periférica e determina quase igual série de reflexos. A principal diferença é que a água fria é mais tônica e sedativa que a água quente. Outrossim, a aplicação demasiadamente longa desta última é deprimente.

Com água quente também se verificam as duas fases já mencionadas:

1- vasoconstricção com hipertensão

2-vasodilatação com hipotensão.

A princípio há, com a aplicação de água quente, produção de muito calor. Depois a defesa orgânica contra a elevação da temperatura interna se efetua por meio de uma vasodilatação periférica enérgica, e por transpiração se a aplicação é de duração suficiente.

As aplicações hidroterápicas frias ou quentes têm, em seus efeitos sobre o corpo humano, a pele como intermediário. Da superfície da pele parte a impressão sensitiva que constitui a reação da sensibilidade, o reflexo vasomotor que provoca a reação circulatória, e o reflexo térmico que regula, por meio dos vasomotores, o gasto de calor periférico.

Por outro lado, o estado da pele também sofre modificação. As duas fases – vasoconstrição e vasodilatação

  • a afetam especialmente, de vez que os capilares cutâneos são os mais diretamente interessados. A pele fica, sucessivamente pálida, e, logo em seguida, rosada, em virtude dos movimentos vasculares, graças aos quais a pele pode desempenhar-se mais facilmente das suas funções das quais, a que mais nos interessa no momento, é a eliminação das substâncias morbosas, pela freqüente transpiração, este resultado pode ser alcançado tanto com água fria como com água quente, mas o efeito da primeira é maior.

A hidroterapia, como tratamento capaz de operar profundas modificações no organismo, tem igualmente influência sobre a nutrição, pois está comprovado que este tratamento aumenta o número de glóbulos vermelhos e de glóbulos brancos do sangue, aumenta a taxa de hemoglobina, age sobre a excreção urinária, tem efeito sobre a evacuação, aumenta a eliminação das matérias azotadas e do ácido úrico, ele.

Banhos quentes

Os banhos quentes (de 37° a 40°C) são tônicos se são curtos (5, 10 ou lá minutos). Sendo mais demorados, ou muito freqüentes, tornam-se deprimentes. Inicialmente a temperatura da água deve ser morna ou neutra (30° a 35°C) ; vai-se acrescentando água quente aos poucos, até que a temperatura chegue a 40°C. Quem não está acostumado a tomar banhos quentes, deve começa com banhos rápidos, digamos de 5 minutos, aumentando um pouco a duração em cada banho seguinte. Estes banhos se recomendam aos obesos, aos que sofrem de gota, podagra, reumatismo, às pessoas predispostas aos espasmos; recomendam-se também para aliviar convulsões, etc.

No começo da febre escarlatina, do sarampo, da rubéola, um banho quente de 10 minutos, faz aparecer a erupção. O banho quente também é bom para provocar o aparecimento da menstruação e para aliviar a menstruação dolorosa. O banho quente faz suar e ajuda a eliminar as substâncias morbosas que o corpo envenenado por um falso modo de viver é demasiado fraco para por si mesmo expulsar. Antes de se tomar um banho quente, deve-se tomar copiosa quantidade de água fria. Durante o banho é bom aplicar compressas frias à cabeça, para evitar a congestão cerebral.

À água do banho acrescenta-se o cozimento de folhas de eucalipto, cavalinha, flores de feno, e outras plantas. Imediatamente ao sair do banho quente, deve a pessoa tomar um choque de água fria. Pode tomar um chuveiro frio, rápido, de meio minuto, ou alguém derramar-lhe água fria por cima. Isso para evitar que se resfrie.

Banhos neutros

Os banhos neutros (33° a 36°C – 10 a 20 minutos) são bons para as pessoas enfermas, para os débeis, anêmicos, reumáticos, nervosos, para os que sofrem de insônia, etc. Se se toma o banho para combater a insânia, etc. Se se toma o banho para combater a insônia, toma-se imediatamente antes de se deitar. À água do banho pode-se acrescentar o decocto de muitas plantas medicinais. Durante o banho, é bom refrescar a cabeça com água fria. No fim toma-se um chuveiro frio rápido.

Banhos frios

Os banhos frios (8° a 15°C) de imersão, não devem durar mais do que 1/2 a 1 minuto. Os de chuveiro podem durar um pouco mais. Boa praxe é começar com um banho bem curto e estender a duração em cada banho seguinte.

Pode-se tomar o banho frio de manhã e de noite, imediatamente antes de deitar-se, mas pelo menos duas horas depois da comida.

Ao entrar no banho, é preciso que o corpo esteja quente. Quem sente frio deve esquentar-se antes do banho, mediante exercícios físicos, fricções no corpo, ou mediante um banho quente.

As pessoas debilitadas, os enfermos de enfermidades crônicas, devem, para fortificar-se, começar com banhos frios parciais (pedilúvios, banhos de assento, banhos de tronco, afusões), pois se começassem diretamente com os banhos frios totais, os mesmos poderiam fazer-lhes mais mal do que bem. Depois de experimentarem a eficácia dos banhos parciais, poderão tomar banhos frios de corpo inteiro. Ou, então, poderiam começar com banhos totais, quase mornos e reduzir a temperatura da água em cada banho subseqüente até que suportem bem o banho frio.

os banhos frios rápidos têm efeito fortificante sobre o sistema nervoso. Quando prolongados podem ocasionar resfriamento, a menos que se observem freqüentes intervalos para fricções.

São muito usados os banhos frios para diminuir a febre, inclusive a febre tifóide.

Banhos quentes de assentos

Põe-se na banheira água à temperatura de 38°C aproximadamente. A água pode chegar até o umbigo.

Aumenta-se gradativamente a água até 45°C.

Quem não tiver banheira própria para banhos de assento, pode usar uma bacia funda, ou arranjar uma tina ou adaptar um barrilote de madeira. À água do banho acrescenta-se o decocto de plantas medicinais indicadas neste livro. Mantém-se fresca a cabeça com uma compressa de água fria. Os pés devem estar mergulhados em água quente (43° a 48°C), num balde, lata ou bacia. O corpo deve estar bem agasalhado. Durante o banho deve beber-se água fresca. A duração do banho pode ser de 10 a 20 minutos. Os banhos de assento quentes servem para atrair o sangue para os órgãos abdominais. Empregam-se, com excelentes efeitos, na congestão da cabeça, nas perturbações da digestão, nas enfermidades do estômago, do intestino, do fígado, dos órgãos sexuais, dos rins, do coração, dos olhos, da garganta, etc. Empregam-se para aliviar as dores na menstruação, na micção difícil das pessoas idosas, nas hemorróidas, e em outros casos em que haja dores no baixo ventre; também nas inflamações do útero, dos ovários, da vagina, da bexiga, etc. Especialmente nas cólicas e nos cálculos do fígado, dos rins, e da bexiga, o banho de assento bem quente tem considerável efeito anódino, isto é, alivia grandemente as dores. Ao levantar-se do banho toma-se uma afusão de água fria nos quadris, não, porém, nos casos de menstruação e micção difícil.

Banhos neutros de assento

A temperatura da água é de 33° a 37°C. Os efeitos dos banhos neutros são, em menor grau, paralelos aos

dos banhos quentes. Também aqui o decocto de plantas medicinais, acrescentado à água do banho, traz bons resultados. Tomados nos últimos dois meses da gravidez cada dia, durante 15 minutos, esses banhos são muito úteis para facilitar o parto. Além disto, facilitam o sono.

Banhos frios de assento

A temperatura da água é de 8° a 15°C. Bom é começar com uma temperatura quase morna e baixá-la em cada banho seguinte. A quantidade de água deve ser suficiente para cobrir os quadris, ou seja, tanta quanta chegue até o umbigo. A duração é de 2, 3, 4 ou 5 minutos. Os pés devem estar mergulhados em água quente (40° a 43°C).

São muito importantes, especialmente para o abdômen, pois regulam a circulação do sangue nesta região do corpo. Aplicam-se nas moléstias abdominais, nas hemorragias, nas hemorróidas, na clorose, na digestão fraca, na prisão de ventre, na dilatação do útero após o parto, na insônia, no nervosismo, em casos de hemorragia do útero, da vagina ou dos intestinos. Tomam-se preferivelmente de manhã, ao levantar-se, e de noite, ao deitar-se, num recinto quente. Deve-se estar agasalhado a fim de evitar o resfriamento.

Ao sair do banho, deve-se friccionar bem os quadris, para aumentar os efeitos estimulantes sobre a circulação.

Banhos de assento alternados

É necessário ter duas tinas: uma com água quente (35° a 37°C) e outra com água fria (8° a 15°C).

Acrescenta-se à água quente o decreto de folhas de eucalipto, cavalinha, flores de feno, ou outras ervas medicinais.

A duração do banho é de 15 a 20 minutos. Cada 5 minutos a pessoa em tratamento sai da água quente e senta-se, 1 minuto, na água fria. O banho alternado, de assento, produz bom efeito em casos de reuma-tismo, espasmos dos rins e da bexiga, cálculos, afecções do aparelho urinário, etc.

Banhos de tronco

Os banhos de tronco, como o próprio nome diz, abrangem somente o tronco. Usa-se, para esta espécie de banhos, uma tina com as costas bem inclinadas para trás. A água deve chegar até os quadris ou até o umbigo. A temperatura da água é entre fria e morna, ou seja, de 17° a 25°C. Os pés não são postos em água. O tronco fica recostado ao espaldar da tina, ou seja, fica numa posição entre sentado e deitado.

As partes não banhadas do corpo, como sejam os ombros, o peito, as pernas e os pés, devem ser aga-salhados com um cobertor ou com roupas ou com panos de flanela ou lã. Fricciona-se constante e ener-gicamente, mas sem violência, o baixo ventre, sempre a partir do umbigo para baixo e para os lados, com um pano grosso, até que o corpo se refrigere. O arrefecimento necessário vem depois de 10 ou 15 minutos. Para diminuir ainda mais a temperatura elevada do interior do corpo, pode-se continuar o banho por mais 5 minutos. Para as pessoas débeis, e para as crianças, bastam 5 minutos ao todo.

O banho de tronco é ótimo refrescante do interior do corpo, pelo que tem bom efeito em casos de febre, inclusive na febre tifóide. Geralmente bastam dois ou três banhos por dia. Um banho de tronco diário, durante o período da gravidez, facilita o parto. Tem aplicação eficaz, também, nas afecções do estômago, dos intestinos, dos rins, do fígado, etc. ; ajuda a eliminar as substâncias morbosas do corpo; mostra-se igualmente eficaz nas moléstias sexuais, nas moléstias dos olhos, da cabeça, do pescoço, da laringe, etc. Terminado o banho, aquece-se o corpo, fazendo uma fricção geral, rápida, ou voltando à cama, ou dando um passeio com o corpo bem agasalhado, ou fazendo algum trabalho ao ar livre, ou exercícios físicos, ou tomando um banho de sol. Não se deve comer imediatamente após o banho, senão depois de restabelecido o calor normal do corpo.

Banhos vitais

O banho vital é considerado por muitos terapeutas como uma das mais eficazes aplicações hidroterapêuticas. Ele actua mais especificamente no sistema circulatório, no sistema nervoso e nos órgãos excretores e genitais. Além disso, regulariza a digestão, estimula os rins, o fígado, combate a insónia e favorece a eliminação de toxinas pelo organismo.

Para este banho, usa-se uma bacia apropriada e um pedaço de pano dobrado. Encha a bacia com água fria e coloque dentro um banquinho, onde deverá sentar-se. Com movimentos regulares, molhe o pano na água fria da bacia e suba massageando a genitália e a virilha, até à altura do umbigo; desça a mão pelo outro lado, formando um triângulo. Repita este movimento pelo lado onde terminou o movimento anterior, sempre descendo o pano até à água, de forma que ele fique sempre bastante encharcado. Este procedimento deve ser repetido durante 20 minutos, com os pés colocados numa bacia com água quente, que deve ser renovada à medida que for esfriando.

Todo o corpo deve ficar fora d’água, exceto os pés, que se põem em água quente.

Banhos genitais ou semicúpios

Tomam-se estes banhos sentado numa cadeira, num banquinho ou numa tábua estendida sobre uma cuba ou tina contendo água fria em abundância, a saber, uns 30 ou 40 litros. Pouca quantidade se aqueceria logo, e o banho perderia sua eficácia. O corpo fica todo fora da água. A pessoa em tratamento inclina-se um pouco para a frente, e, com um pano mergulhado repetidamente na água fria, lava continuamente apenas as extremidades externas e anteriores dos órgãos sexuais, tomando sempre tanta água quanto o pano possa absorver, sem torcê-lo. Não se deve esfregar com violência. Fricciona-se de leve. As mulheres devem ter o cuidado de lavar somente o exterior e nunca o interior, e durante a menstruação devem suspender o semicúpio. A duração do banho é de 10 a 30 minutos. A eficácia do semicúpio se explica por dois fatos: Em primeiro lugar, como o interior do corpo é caracterizado pela presença de grande calor produzido pela fermentação das substâncias estranhas, este banho refresca o interior sem provocar o esfriamento do resto do corpo. Ao contrário, as partes frias, mormente dos enfermos de enfermidades crônicas, sofrem aquecimento. Graças a esta ação, normaliza-se a temperatura anormal, interna, provocada pela fermentação das matérias morbosas. Em segundo lugar, este banho tonifica grandemente o sistema nervoso, e aumenta a força vital do corpo inteiro. Em nenhuma outra parte do corpo humano se encontram tantos nervos importantes como na parte a que se aplica este banho. As extremidades de grande número de nervos da medula espinhal e do sistema nervoso simpático constituem os principais nervos do baixo-ventre, e, sendo estas extremidades influenciadas pela aplicação de água fria, exercem influência sobre todo o sistema nervoso. A água fria aplicada às partes genitais fortifica consideravelmente. os nervos e reanima a força vital de todo o organismo.

Pedilúvios quentes (escalda-pés)

Põe-se numa bacia, tina, lata ou balde uma quantidade de água suficiente para cobrir os tornozelos.

A temperatura inicial deve ser de 35° a 40°C, devendo acrescentar-se mais água quente aos poucos, até elevar a temperatura a 48°C ou até o máximo que se possa suportar. A duração do banho é de 10 a 20 minutos.

Sendo muito quente a água do banho, ou havendo tendência para o desmaio, é bom refrescar a cabeça com uma compressa fria. O escalda-pés é de bom efeito como auxiliar de outros tratamentos. Atrai para os pés o sangue das demais partes do corpo. Emprega-se, outrossim, com bom resultado, quando há sensação de frio (falta de calor corpóreo), quando a água fria não provoca reação por escassez de sangue, e em casos de anemia, nervosismo, falta de sono, desordens na circulação do sangue, congestões, espasmos, falta de menstruação, gripes, resfriados, dor de dente, etc Como os pedilúvios resolvem e fortificam, aplicam-se também com muita eficácia nos suores dos pés, podagra, panarícios, chagas, .contusões, lesões, tumores, etc. dos pés. Para os que sofrem de varizes a temperatura da água não deve ser superior a 31°C. Também aqui não devem ser esquecidas as preciosas plantas curativas segundo indicações que damos, nas páginas seguintes, para cada caso especifico. Quando se toma um pedilúvio quente, com o cozimento de plantas curativas, deve-se por fim aplicar um jorro frio aos pés ou pô-los, durante 1 minuto, em água fria. As senhoras grávidas não devem fazer uso de escalda-pés, pois pode provocar aborto.

Pedilúvios frios

Põe-se numa lata ou num balde a quantidade de água suficiente para alcançar a barriga da perna. Melhor, todavia, é a água corrente. A duração do banho é de 2 ou 3 minutos. A principio há uma sensação desagradável. Em seguida vem uma sensação de calor e a pele das partes submergidas avermelha. O pedilúvio frio e curto excita a circulação local do sangue e combate o frio habitual dos pés. Convém, pois, às pessoas que sofrem de pés frios. O banho frio de pés ajuda a desviar o excesso de sangue na cabeça, pelo que convém em casos de insônia.

Pedilúvios alternados

Usam-se dois baldes, latas ou outros recipientes. Num vai água fria e noutro água quente, tão quente quanto se possa suportar. A quantidade deve ser suficiente para alcançar a barriga da perna, podendo mesmo ir até os joelhos. A duração do pedilúvio alternado é de 10 a 20 minutos. Põem-se os pés, alternadamente, 5 minutos em água quente e 1 minuto em água fria, acabando-se com água fria. Terminado o banho, friccionam-se os pés com uma esponja ou um pano, e calçam-se, logo, meias e sapatos. O pedilúvio alternado ativa a circulação do sangue nos pés, pelo que é útil para desviar o excesso de sangue da cabeça. O que ajuda a alcançar este resultado é a aplicação de compressas frias à cabeça.

Banhos de vapor e Inalação

Para tomar estes banhos, é preciso que a pessoa tenha uma caixa própria, dentro da qual possa sentar-se, fechando-a bem e ficando só com a cabeça de fora. No interior da caixa instala-se um assento de grade, ou uma cadeira de assento perfurado, para dar passagem ao vapor. Em baixo coloca-se uma chaleira elétrica, grande, com água a ferver. Caso uma não dê vapor suficiente, podem usar-se duas. Pode-se, em vez de chaleira elétrica, calocar, fora ao lado da caixa, uma pequena caldeira, ou um pequeno tambor com um tubo ou mangueira a desembocar no interior da caixa soltando ai o vapor. Basta também. uma panela de vapor ordinária com uma abertura em forma de funil, em que se põe a mangueira. A panela, cheia de água, com plantas medicinais (cavalinha, folhas de eucalipto, etc.), é posta sobre o fogão. Assim que a água começa a ferver e soltar o vapor na caixa pelo tubo de borracha, entra-se na caixa, fecha-se bem, passa-se uma toalha em volta do pescoço, para fechar a abertura por onde a cabeça fica do lado de fora. Aproveita-se, assim, melhor, o vapor, evitando o seu escapamento.

Cuide-se, porém, o banhista, para não se escaldar. A duração do banho é de uns 15 a 30 minutos. Bom é começar com banhos mais curtos (10 minutos) e estender a duração em cada banho seguinte. Durante o banho bebe-se algumas vezes água fresca, e refresca-se o rosto e a cabeça, a miúdo, com uma toalha molhada em água fria e torcida. Ou, então, se pode aplicar uma compressa fria à cabeça, renovando-a várias vezes, ou seja, sempre que se aqueça. Pode-se interromper o banho de vapor uma, duas ou três vezes para tomar um chuveiro, frio, rápido de meio minuto, e fazer fricção no corpo. Termina-se o banho de vapor com um chuveiro frio de um minuto. Quem quer continuar a suar, deve, imediatamente ao sair da caixa, e sem tirar o suor com um chuveiro frio, envolver-se num lençol mergulhado em água quase fria (entre 20° e 25°C) e bem torcido, e cobrir bem o corpo, com bastante cobertores, na cama. Continua-se a suar Por mais 45 minutos até uma hora. O suadouro deve ser terminado com um chuveiro frio rápido ou com uma fricção rápida comum pano torcido em água fria. Não somente os enfermos, senão também os sãos devem tomar banho de vapor de quando em quando, podendo ser um por semana. Os banhos de vapor e todos os suadouros, seguidos de chuveiro frio, rápido, ativam a circulação do sangue e promovem a expulsão das impurezas que, retidas no interior do organismo, poderiam mais tarde trazer várias afecções. os banhos de vapor constituem, pois, excelente remédio contra quase todas as enfermidades, pois que a maioria das doenças têm, por causa primária, impurezas no sangue, e tais banhos são também um bom meio de prevenir moléstias. Quando, por exemplo, suspeitamos o começo de uma enfermidade eruptiva (sarampo, rubéola, escarlatina, varicela, etc.), não devemos esperar até que a doença se manifeste. Devemos entrar logo no banho de vapor, para que, pela sudação, sejam expelidas as substâncias venenosas e apareça a erupção. As plantas medicinais, incluídas na água a ferver, prestam grande auxílio.

Os banhos de vapor são excelentes para depurar o sangue e para descongestionaras vias respiratórias. Combate dores de cabeça, catarro nos brônquios e sinusite. Nestes casos, a aplicação de vapor deve ser direccionada para a cabeça e o tórax do paciente, intercalados a cada 5 minutos, com fricção de toalha molhada em água fria. Para preparar a inalação, use um caldeirão, uma lata que possa ir ao fogo ou uma panela de boca larga, cheia de água e ervas medicinais. Use fogo alto, deixe ferver por alguns minutos e depois leve imediatamente ao paciente, que deverá inalar o vapor que sobe da fervura, abrigado por um cobertor. Ao final da inalação, faça fricção com toalha molhada em água fria para fechar os poros. Pessoas com baixa pressão arterial e que sofrem do coração não devem tomar banhos de vapor.

Saunas Vaporizadas

Os banhos de sauna são feitos em instalações apropriadas e têm as mesmas propriedades dos banhos de vapor e inalação. A pessoa permanece no ambiente vaporizado durante 10 minutos, em seguida sai e toma uma ducha rápida de água fria, voltando ao vapor. Repete-se o procedimento várias vezes. Pessoas com baixa pressão arterial e que sofrem do coração não devem tomar banhos de vapor.

Compressas quentes

A fomentação é um dos processos mais comuns, fáceis e eficazes da hidroterapia. Mergulha-se um pano, dobrado em 4 ou 6, em água ou chá quente de plantas medicinais, segurando-o pelas pontas, para não queimar as mãos, e torcendo-o várias vezes para deixar escorrer bem a água. Aplica-se a compressa, à parte dolorida, tão quente como se possa suporta-la. Por cima da compressa vai um pano de lã ou flanela. Como a compressa logo se esfria, é necessário mudá-la cada 3 ou 5 minutos. E, para que o paciente não necessite esperar, é necessário ter outra compressa já pronta. Usam-se, portanto, dois panos dobrados em 4 ou 6. Nunca se deve colocar outra compressa sem enxugar primeiro a parte tratada. Sempre que possível, deve-se ter à mão, também, como é evidente, a panela de água fervendo. A duração total da aplicação é de uns 30 minutos. Em seguida ao tratamento, faz-se uma fricção leve e rápida com um pano úmido, frio, e a parte tratada deve ser envolvida em panos de lã ou flanelas secos, Em Casos de dor muito forte, não se faz a fricção fria no fim. Se a dor não cessa, pode-se, depois de meia hora, fazer nova aplicação de compressas quentes. Outro processo é o que consiste em colocar a compressa torcida, bem quente, entre dois Panos, de maneira que a parte em tratamento receba o vapor da compressa quente. Esta fomentação basta mudá-la cada 5 ou 8 minutos. Aplicam-se compressas quentes ao ventre nos seguintes casos: fortes dores abdominais, cólicas do fígado provenientes dos cálculos biliares (pedras na vesícula biliar), cólicas resultantes da gota, disenteria, enterite aguda, indigestão, hipocondria, timpanite, prisão de ventre persistente, espasmos do estômago e da bexiga, gota intestinal e estomacal, inflamações dolorosas no abdômen. Aplicadas ao peito, as compressas quentes dão bons resultados em casos de congestão pulmonar, pleurisia, bronquite, tosse, etc. Aplicadas à face, aliviam a nevralgia facial, a dor de dente, etc ; resolvem também o terçol. Aplicadas à região lombar (na parte traseira da cintura), aliviam as dores em casos de lumbago. Aplicadas ao espinhaço (costas), facilitam o sono. Aplicadas às articulações aliviam as dores em casos de artrite, sinovite, higroma, etc.

Ao final do procedimento, molhe um pano em água fria e passe sobre a região da compressa, para fechar os poros.

Compressas frias, refrigerantes

Mergulha-se em água fria (ou chá medicinal frio, com um pouco de sal) um pano dobrado em 4 ou 6, torce-se e faça a aplicação directamente na região enferma à parte que se vai tratar. A água deve, naturalmente, ser provida com antecedência, com o decocto de plantas medicinais, e deixada a esfriar. Como a compressa se aquece logo, é necessário renová-la com freqüência, pelo que se deve ter outra compressa já pronta. Renova-se cada 4 ou 5 minutos, e, desta maneira, se obtém uma subtração de calor. Este processo produz, em miniatura, o que produz a envoltura em lençol molhado, frio. Emprega-se como antiflogistico e vasoconstritor, as compressas frias são especialmente indicadas para as inflamações locais, hiperemia, acessos de gota, artrite aguda, congestão renal, congestão cerebral, meningite, peritonite aguda, febre tifóide, apendicite, dores de cabeça de origem nevrálgica e dores reumáticas.

Cubra a um pano seco, preferencialmente de lã. Se usar sal na compressa, a cada 10 minutos substitua a gaze, pois ela é aquecida pelo contacto com o corpo.

Compressas frias, termógenas ou aquecedoras

Dobra-se um pano em 4 ou 6, mergulha-se em água fria, torce-se e aplica-se segundo a finalidade para que se necessita. Em volta da compressa passam-se outros panos, secos, impermeáveis, em boa quantidade, (podem ser flanelas), para evitar o escapamento do calor produzido, pois a compressa fria logo começa a esquentar. Tal compressa fica várias horas, ou toda a noite, no lugar a que é aplicada. A principio, ela esfria a pele e a irrita. Logo, porém, a pele começa a aquecer-se, pouco a pouco, e, finalmente, o calor produzido sob a compressa acaba por secá-la. Segundo a sua finalidade terapêutica, pode-se aplicá-la a várias partes do corpo. Empregam-se nos seguintes casos : bronquite, enfisema, dispepsia, espasmos do piloro, prisão de ventre, congestão do fígado, transtornos motores do estômago e intestinos, angina faringite, espasmos da laringe. Notando-se que a compressa, depois de aquecer-se, começa a esfriar, deve-se tira-la, sob pena de se obter um resultado contrário ao que se queria alcançar. Terminado o tratamento, deve-se, ao tirar a compressa, friccionar rapidamente, com um pano úmido, frio, a parte tratada, enxugando-a logo com um pano ou toalha.

Instruções necessárias à aplicação da Hidroterapia

1.. Ao proceder-se a um tratamento com água fria, o corpo deve estar quente. Se a pessoa que vai tratar-se sente frio, deve primeiro aquecer-se mediante exercícios físicos, ou fricções no corpo, ou por um pedilúvio quente. Se o compartimento onde se vai fazer o tratamento é frio, deve-se aquecê-lo, para o que se pode queimar álcool numa bacia.

  1. A distância mínima entre os tratamento e as refeições é uma hora antes da comida ou três horas depois. 3. Em seguida ao tratamento com água fria, deve-se aquecer o corpo com fricções, exercícios físicos ou banhos de Sol.
  2. Depois de um banho de vapor, ou um banho em água quente, ou um suadouro, deve-se tomar um chuveiro, ou afusão, ou irrigação de água fria, rapidamente, para evitar resfriamento.
  3. Os tratamentos com água fria não devem ser aplicados muito perto um do outro. Deve-se observar, entre um e outro tratamento, um intervalo suficiente para permitir que o corpo readquira seu calor normal.
  4. Se o paciente está dormindo, não se deve despertá-lo para aplicar-lhe o tratamento. Na cura das enfermidades, o sono tem bom efeito. Em caso de febre, pode-se despertar o enfermo, porque, então, o sono não é natural.
  5. Durante os tratamentos de processo derivativo (banhos de vapor, banhos de assento quentes, escalda-pés, etc.), não se deve ler, porque a leitura atrairia o sangue para o cérebro.
  6. Não se alcançando imediatamente os resultados desejados, não se deve desanimar nem pôr em descrédito a eficácia dos tratamentos naturais. Muitas vezes, nos casos crônicos, só se alcança a cura depois de aplicações prolongadas.
  7. No tratamento das crianças, quando estas gritam de medo e aversão pelas aplicações, deve-se proceder com muito jeito, pois uma agitação violenta poderia tornar pouco aproveitável ou mesmo prejudicial o tratamento.
  8. Finalmente, tornamos a salientar que não deve faltar nenhum dos fatores de saúde mencionados no primeiro capitulo deste livro, pois pouco ou nada adiantariam ao paciente os tratamentos hidroterápicos e as plantas medicinais, se ele continuasse a viver uma vida de transgressão às leis da natureza.
REGRAS BÁSICAS DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Alimentação Saudável: Regras Básicas

Como todos os seres vivos, o homem necessita de alimentos.
Hoje, a maioria das pessoas come mal. Uns comem em demasia, outros morrem de fome, e, em muitos casos, cometem-se muitos erros alimentares que podem provocar graves doenças.
Além da dieta balanceada e da correta escolha e combinação dos alimentos, é necessária uma mudança de hábitos para se obter uma melhor digestão e assimilação dos nutrientes. Nenhum alimento é mais importante do que o outro, a ingestão de alguns alimentos deve ser feita em maior quantidade que outros, alguns devem serem evitados ou usados moderadamente.

Coma à vontade. Você pode.

Mas lembre-se de que os maus hábitos alimentares às vezes se tornam um problema para o resto da vida

Quando os filhos chegam à adolescência, muitos pais abrem mão de uma de suas responsabilidades: a de cuidar para que se alimentem direito. Fazem isso convictos de que não há mesmo remédio, visto que jovem só come porcaria. Não é bem assim. Um estudo realizado com alunos de 12 a 18 anos das escolas públicas de São Paulo concluiu que eles comem o mesmo que os adultos, só bebem mais refrigerantes. Outra pesquisa, da Universidade Federal de São Paulo, mostra que os adolescentes de classe média consomem muita gororoba gordurosa na escola, mas fazem as refeições principais em casa. Na média, um adolescente vai à lanchonete (para engolir a bomba calórica hambúrguer-refrigerante-batata frita) três vezes por semana.

No auge do crescimento, entre os 12 e os 15 anos, um jovem pode consumir sem susto 10% mais de calorias diárias que o indicado para um adulto. “O adolescente usa a energia para esticar, enquanto o adulto certamente vai crescer para os lados”

A proporção de jovens com sobrepeso quadruplicou nos últimos trinta anos e chegou a 14% na faixa etária dos 8 aos 18 anos. A culpa é da vida sedentária e do excesso de comida industrializada, rica em farináceos e gorduras, sobretudo entre a população mais pobre. O efeito perverso do engordamento precoce é o aumento das doenças cardiovasculares e do diabetes tipo 2.

A geração atual é provavelmente a mais preocupada com comida saudável de todos os tempos. Está em alta ser vegetariano, eliminar a carne vermelha do cardápio e preferir produtos com o rótulo diet. Nesse estilo também vale a regra do bom senso: excessos fazem mal à saúde. Quanto mais variada, mais saudável é a alimentação. O maior perigo mora nos maus hábitos, que tendem a se perpetuar. A comida gordurosa não faz mal para quem está crescendo. Mas, com o fim da adolescência, o metabolismo desacelera e o corpo pára de queimar calorias com a mesma eficiência. Se um jovem adulto continuar a comer a mesma quantidade de comida da época de adolescente, será inevitável que fique gordo.

Alimentar-se nos horários corretos

Existe um ritmo biológico natural do organismo, segundo a teoria do ciclo circadiano, preconizando que a cada duas horas um órgão ou função orgânica está mais polarizado.

O estômago, por exemplo, entre as 7 e 9 horas se encontra mais apto a receber a primeira refeição do dia, sendo portanto, ideal que esta seja mais rica e variada. Realizar o almoço seis horas após a refeição matinal e o jantar entre 19 e 21 horas, não ingerindo nesta, alimentos em excesso e de difícil digestão, pois estando o metabolismo digestivo diminuído neste horário, uma sobrecarga pode prejudicar o sono fisiológico noturno.

Procurar alimentar-se com prazer

É óbvio que o melhor é alimentar-se com tudo aquilo que é saudável, mas também é fundamental escolher alimentos que façam do ato alimentar um prazer. Valorizando-se o verdadeiro paladar dos alimentos e oferecendo ao mesmo tempo o que há de melhor para o seu organismo, é uma enorme demonstração de auto-estima.

Mastigar os alimentos lentamente

A digestão dos alimentos tem origem na boca através da mastigação e salivação. Portanto, é preciso deixar por um longo tempo o alimento em contato com a saliva, na boca, para que a digestão comece de forma mais efetiva.

Além disso, uma correta mastigação atua na sensação de fome e saciedade, que é controlada pelo hipotálamo, no cérebro. O nível de glicose no sangue, proveniente da digestão dos carboidratos, se eleva durante a digestão, transmitindo ao cérebro um estímulo no centro nervoso de saciedade. Isso leva de 15 a 20 minuto. Se engolirmos o alimento sem mastiga-lo bem, acabamos por necessitar ingerir uma maior quantidade de alimentos durante o tempo que o cérebro necessita para transmitir a sensação de saciedade. Portanto, uma mastigação correta e adequada pode levar a uma menor necessidade de ingestão e alimentos, com conseqüente perda de peso. A desatenção e a pressa durante o ato de comer estão intimamente relacionadas à obesidade. Uma mastigação correta estimula os músculos da face e os dentes, ativando a circulação sangüínea dessa região. A mastigação lenta e efetiva, aliada a uma postura de calma e tranqüilidade frente ao ato de se alimentar, pode repercutir em melhoria da digestão e bem-estar. Na nossa cultura contemporânea, onde a velocidade impera, é importante parar para perceber o verdadeiro sabor dos alimentos e imprimir um ritmo e uma forma saudável para alimentar-se e viver.

Não utilizar líquidos durante as refeições

No estômago, o ácido clorídrico e outras enzimas digestivas originam um meio ácido importante para a digestão de alimentos. Uma manutenção constante desta acidez durante o processo digestivo permite uma melhor atividade desse processo; contudo, a administração de líquidos durante as refeições diminui a acidez e a concentração de enzimas, dificultando e aumentando o tempo de digestão dos alimentos no estômago. Assim, o ideal é não consumir líquidos até meia hora antes e duas horas após as principais refeições.

Alimentar-se com dietas leves nas crises emocionais

Quando o estado emocional apresenta-se alterado, com agitação, nervosismo, cansaço e preocupações, há uma diminuição das secreções gástricas, prejudicando o processo digestivo. Por esse motivo, é importante não ingerir alimentos de difícil digestão nos momentos em que essas alterações estejam presentes, dando preferência pra alimentos como saladas, sucos de verduras ou frutas.

Uma alimentação saudável que proporcione uma eliminação adequada das toxinas

A capacidade do organismo em assimilar os nutrientes é apenas uma parte de sua funções para manter um estado de saúde. Porém, o organismo necessita também eliminar os resíduos tóxicos e esse processo é tão importante quanto a assimilação dos nutrientes essenciais. Assim, o correto funcionamento dos rins e intestinos, através da ingestão adequada de água e fibras vegetais é um procedimento natural, visando um incremento na eliminação das toxinas e contribuindo para a manutenção do equilíbrio orgânico.

A atividade física

Todo organismo se beneficia com a atividade física regular, principalmente pelos resultados de melhoria nas funções cardiovascular e respiratória; isto porque ocorre uma ampliação do transporte de oxigênio e nutrientes para todas as células orgânicas.

Paralelamente, também há uma ampliação do transporte de dióxido de carbono e toxinas metabólicas das células para a corrente sangüínea e, finalmente, para os órgãos depuradores, ou seja, pulmões, fígado e rins, facilitando a remoção dos detritos do organismo. Contudo, a atividade física regular é particularmente importante para se reduzir o risco de doenças cardíacas, por promover um aumento na capacidade funcional do coração, através da redução da pressão arterial e a obesidade.

Além disso, segundo um estudo científico publicado pelo American Journal of Epidemiology, a atividade física regular está fortemente associada com a diminuição de estados depressivos, ansiedade, insônia, esgotamento físico e mental. Todavia, antes de iniciar um programa de atividade física, é muito importante uma avaliação médica geral e cardiológica, principalmente sendo fumante e apresentando mais de 35 anos de idade. As melhores atividades são as caminhadas em ritmo moderado, andar de bicicleta, a hidroginástica e a dança aeróbica.

Um mínimo de 15 a 20 minutos de exercícios na freqüência de treinamento individual pelo menos três vezes por semana são necessários para se promover algum benefício no organismo.